Publicidade
Manaus
Economia, Cesta Básica, Dieese

Feijão fica mais caro na cesta básica de Manaus

Pesquisa divulgada nesta quinta-feira (8) pelo Dieese apontou o feijão como o principal que encareceu a cesta básica 08/03/2012 às 12:12
Show 1
Base da alimentação, o feijão encareceu a cesta básica de Manaus
Joelma Muniz Manaus

O valor da cesta básica fechou o mês de fevereiro com queda de -2,16% frente ao mesmo período do ano passado, ficando em R$ 252,93. Em fevereiro de 2011 o valor ficou na casa de R$ 252,72.

Os dados foram revelados por pesquisa mensal realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), nesta quinta-feira (9), que além da redução no valor da cesta, verificou que Manaus figura em 8º lugar no ranking de cidades com o maior preço na cesta composta por 12 itens básicos de alimentação.

O feijão como em outros momentos foi o ‘algoz’ do consumidor amazonense. O produto foi o que mais demonstrou alta (9,5%), sendo seguido pela farinha (1,83%), da manteiga (1,82%), do pão (0,71%), e do óleo (0,34%). O arroz foi o único item que permaneceu com o preço inalterado entre janeiro e fevereiro de 2012.

Figurando com o mocinho da pesquisa o tomate foi o produto que apresentou a maior redução (-8,33%) no mês seguido da banana (-4,21%), do leite (-3,42%), do açúcar (-2,55%), da carne (-1,91%), e do café (-0,74%).

Família em Manaus precisa de R$ 758,79 para adquirir cesta
Segundo a análise do Dieese, uma família composta de quatro pessoas precisou investir em fevereiro R$ 758,79 dos seus vencimentos para adquirir os itens básicos de alimentação. Conforme a pesquisa o valor equivale a 1,22 vezes o salário mínimo bruto, que atualmente é de R$ 622,00.

Salário Mínimo
O Dieese calculou ainda que, o valor do salário mínimo no país deveria ser de R$ 2.323,21. O valor estimado seria o ideal para suprir necessidade de alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência.

Trabalhar em 85 horas e 30 minutos
Os trabalhadores e trabalhadoras de Manaus precisaram labutar 85 horas e 30 minutos para comprar seus alimentos, comprometendo 44,20% do seu rendimento liquido.