Publicidade
Manaus
Manaus

Flanelinhas são suspeitos de roubar placas de sinalização das ruas de Manaus

Levantamento do Manaustrans apontou que 92 sinalizações “sumiram” das ruas nos últimos 90 dias 04/08/2012 às 09:38
Show 1
Associação dos Guardadores e Lavadores Autônomos de Veículos Automotores do Estado do Amazonas diz que furtos não foram cometidos por associados
Florêncio Mesquita Manaus

Flanelinhas que atuam no Centro de Manaus são suspeitos de furtar placas de sinalização de trânsito para induzir o condutor a estacionar em local proibido. Somente no período aproximado de 90 dias, 92 placas de sinalização vertical, sendo apenas as que indicam estacionamento proibido, foram furtadas das ruas José Clemente, 24 de Maio e Barroso, na área central, segundo levantamento do Instituto Municipal de tráfego e Engenharia de Trânsito (Manaustrans). Todas as placas serão repostas pelo órgão de trânsito.

A suspeita é que os flanelinhas tenham retirado as placas para que veículos continuassem sendo estacionados nos locais proibidos e assim, aumentando a renda deles.

Os furtos ocorreram no período em que o trânsito no Centro foi alterado por conta da cheia histórica que fez com que várias vias fossem interditadas. Desde que foram liberadas, na última quarta-feira, a situação tornou-se mais evidente.

Segundo dados da Associação dos Guardadores e Lavadores Autônomos de Veículos Automotores do Estado do Amazonas (Aglavam), atualmente existem 3 mil flanelinhas na capital, sendo 2 mil credenciados junto à entidade e mil considerados ilegais. Somente na avenida Eduardo Ribeiro são 60 flanelinhas de um total de 600 que atuam no Centro.

Se confirmada a autoria dos furtos pelos flanelinhas, eles poderão responder por dano ao patrimônio público. No entanto, a dificuldade está em identificar os responsáveis. O artigo 163 do Código Penal Brasileiro define dano ao patrimônio público como ato de destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia. O crime prevê pena de detenção de um a seis meses ou multa. Quando o crime se trata de dano qualificado, varia de seis meses a três anos de detenção, além de multa.

O presidente da Aglavam, Henrique André dos Santos, rebate a suspeita e diz que os flanelinhas associados à entidade não têm participação no sumiço das placas. Ele tomou conhecimento da denúncia sobre os flanelinhas na última quinta-feira, e reuniu os associados na mesma data para discutir o assunto. Henrique defendeu os flanelinhas e disse que a responsabilidade do furto só está sendo atribuída à categoria por conta da presença deles justamente nos locais onde as placas foram furtadas. “Nossos associados usam crachá e camisa personalizada para se identificar como guardadores de carro. Quem fez isso está se passando por associado”, disse.

Questionado sobre os flanelinhas que atuam nas ruas onde as placas sumiram, Henrique respondeu: “A gente não sabe quem está retirando as placas. Já que isso aconteceu, dizem logo que foi o guardador de veículo. Nosso pessoal não faria isso porque sabe que vai se prejudicar e prejudicar a categoria inteira”, disse.

Denúncia
O Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) informou que está multando o condutor que é induzido a estacionar no locais de onde as placas foram furtadas. A população pode denunciar irregularidades e furto de placas pelo telefone 0800-092-1188 ou pelo Twitter @Manaustrans. Imagens de câmeras próximas serão utilizadas na investigação.

Major Cleytman Coêlho - diretor de operações do Manaustrans
“Isso já virou caso de polícia.  Identificamos essa situação na semana passada. , mas esses furtos das placas já vinham acontecendo desde que iniciamos o plano emergencial em algumas ruas do Centro com restrições de estacionamento nas ruas 24 de maio, Barroso e Saldanha Marinho. Os flanelinhas exploram de forma ilegal o estacionamento nas vias públicas cobrando valores de forma ilegal. Isso é um caso de polícia porque temos relatos de condutores que são ameaçados por eles. Além de ser um crime de dano ao patrimônio público isso também é furto. As placas estão sendo repostas, mas custam caro porque o material das placas tem um custo alto. O furto das placas também prejudica a fluidez e sem elas não há podemos multar o condutor”.