Publicidade
Manaus
Manaus

Fornecedores de hospital público de Manaus denunciam atrasos em pagamentos

Poucos dias após denúncia de falta de matérias, fornecedores da Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ) denunciam atrasos no pagamento. Segundo eles, débitos que não são sanados pelo órgão dificultam fornecimento 06/06/2012 às 18:41
Show 1
Fornecedor apresenta documentos referentes a dívidas
Thiago Gonçalves Manaus (AM)

Fornecedores de materiais destinados a procedimentos médicos, cirúrgicos, de expediente e operacional para a Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ) denunciam o não pagamento dos valores acordados com o órgão para abastecimento do setor de saúde.

Segundo um dos fornecedores, a dívida chega a R$ 71 mil, referente vários meses de atraso. “A nossa empresa está com a pior situação. Estamos desde 2011 sem o repasse do dinheiro referente ao fornecimento dos materiais”, relata.

Outro fornecedor de materiais para consumo hospitalar, confirmou atraso no pagamento dos serviços, mas garantiu que o abastecimento da sua empresa é regular. Ele alegou ainda que a dificuldade de logística e a programação das fábricas são importantes. “O empenho (pedido) não tem a programação da fábrica. Entregamos materiais em grande quantidade para estes setores de saúde. Sempre há atraso no repasse da verba”, declarou.

O Hospital Adriano Jorge, que funciona na Zona Sul de Manaus, é considerado referência por executar procedimentos em diversas áreas da medicina, e tem grande demanda de pacientes da capital e do interior do Estado.

Outra denúncia

Na última segunda-feira (4), médicos do hospital denunciaram ao acrítica.com o cancelamento de, pelo menos, vinte cirurgias agendas, sendo duas realizadas, do total de vinte e dois procedimentos. A falta de material hospitalar básico como agulhas, algodão, gazes e soro, teria sido o principal motivo.

 A reportagem do acritica.com entrou em contato com a direção da unidade de saúde, que garantiu que os processos administrativos denunciados pelos fornecedores estão sendo analisados. Sobre as cirurgias adiadas, o órgão informou que os procedimentos estão normalizados.