Publicidade
Manaus
VOLTOU PARA CASA

Garoto que desapareceu na Cidade de Deus é encontrado em abrigo e recebido com festa

Segundo familiares, o menino foi agredido na rua e resgatado por mototaxistas. Ele voltou para casa em uma viatura da PM 17/07/2017 às 12:18 - Atualizado em 17/07/2017 às 12:28
Show 8f8ff86a c368 47e0 a4ca ecf1f2496da7
Foto: Divulgação
Vinicius Leal Manaus (AM)

O garoto Josileno Ferreira de Freitas, de 10 anos, que desapareceu de casa na tarde do último sábado (15), no bairro Cidade de Deus, Zona Norte de Manaus, foi encontrado ontem em um abrigo no bairro da Compensa, na Zona Oeste da capital. Segundo familiares, o menino foi agredido na rua e resgatado por mototaxistas. Ele voltou para casa dentro de uma viatura da Polícia Militar.

Ele foi recebido com festa pela família. “Foi uma alegria. Todo o bairro estava lá, soltaram foguetes. Foi muito emocionante”, contou Leidiane Freitas, 23, a irmã de Josileno. “Ele chegou em casa e sentiu o amor que transmitimos para ele todos os dias. Ele abraçou a gente de um jeito que nunca tinha abraçado, e chorou. Preparamos bolo, compramos refrigerante. E ele também foi no chiqueiro abraçar os porquinhos que nosso pai cria, ele gosta muito de bichos”.

Agredido e resgatado

Segundo a irmã, antes de ser levado para o abrigo, Josileno foi agredido na rua. “Ele foi primeiro encontrado por uma moça, que o deixou na frente de uma loja de material de construção na Nova Cidade, quase meia noite. Depois disseram que ele foi mexer na comida de uns mototaxistas, que começaram a bater nele. Um estava segurando a perna dele e outro segurando o braço, querendo bater”, disse Leidiane.

De acordo com a irmã, após ser agredido o menino ficou chorando na av. Margarita, na Nova Cidade. “Outros mototaxistas passaram e pediram para pararem de bater nele. Quando outro mototaxista passou de volta e viu meu irmão chorando, no chão. Ele deu R$ 1 e perguntou, mas meu irmão não fala direito. Aí outros mototaxistas pararam e ligaram para a casa de abrigo. Foi quando o pessoal do abrigo foi pegar ele”.

Agressivo em abrigo

Na casa de abrigo, Josileno Ferreira passou todo o resto da madrugada de domingo. “De manhã tivemos informações de que tinha aparecido um menino igual a ele no Nova Cidade, e que ele foi levado a um abrigo na Compensa. O investigador foi lá e viu que era ele. Então eu também fui lá e confirmei”, disse Leidiane.

Entretanto, os funcionários do abrigo não permitiram Leidiane de levar o irmão imediatamente. “Eles não queriam liberar, pensaram que eu maltratava a criança, porque ele estava muito assustado. Acho que devido o que os mototaxistas fizeram com ele. Ele não queria vir, me batia. Estava muito agressivo. Balançava a cabeça dizendo não. Então pensaram que eu maltratava ele. Mas eu conversei com eles e deixei os documentos da minha mãe lá”.

Retorno para casa

Para voltar para casa, Josileno pediu para ir dentro de uma viatura da Polícia Militar. “Ele não queria ir no carro normal, queria ir na viatura. E o pessoal da polícia deixou. Eles foram muito bons conosco. Desde manhã ajudando”, agradeceu Leidiane. Porém, ela preocupa-se com o que o irmão passou nas ruas. “Não sei o que fizeram com ele. A gente pergunta e ele só balança a cabeça, faz menção de faca no pescoço”. Após passar no abrigo, Leidiane pretende ir à delegacia retirar o Boletim de Ocorrência por desaparecimento.

Desaparecido

Josileno desapareceu por volta das 15h de sábado (15) após sair de casa. Ele estava sob a responsabilidade do pai, que cochilou em uma rede no quintal e, quando acordou, não encontrou mais o garoto. Até então, a suspeita era que ele tivesse se perdido na área de mata da Reserva Florestal Adolpho Ducke, que fica perto da residência dele, também na Cidade de Deus. A PM chegou a fazer buscas no local com o apoio de cães e de voluntários.