Publicidade
Manaus
Manaus

Grávida morre e marido acusa maternidade da prefeitura de negligência

Segundo o marido da gestante, ela tentou por mais de 24 horas ter seu bebê por parto normal sem a dilatação suficiente e, sem seguida, veio a óbito 20/05/2012 às 21:46
Show 1
Equipe da Maternidade Moura Tapajós é acusada de negligência
Ana Carolina Barbosa Manaus

Após tentar por mais de 24 horas dar à luz ao seu bebê por parto normal, sem sucesso, a gestante Neuciane Teixeira Marques, 20, não resistiu e acabou morrendo na manhã do último sábado. O marido dela, o feirante Marcelo Carvalho Onório, 24, acusa as equipes médicas que estavam de plantão entre quinta e sexta-feira (18/05), na Maternidade Moura Tapajós, no bairro Compensa, Zona Centro-Oeste de Manaus, onde ela esteve internada, de negligência, por não a tê-la submetido antes a uma cesariana ao constatarem que ela não tinha dilatação suficiente.

Ele explicou que registrou um Boletim de OcorrÊncia (B.O) para que o caso seja apurado. Segundo o feirante, a gestante deu entrada na Maternidade Moura Tapajós, localizada no bairro Compensa, Zona Centro-Oeste de Manaus, na quinta-feira passada (17/05), e até às 5h do dia seguinte, a Neuciane não havia passado dos seis centímetros de dilatação, mas, ainda assim, a equipe médica pedia que ela fizesse força para ter o bebê.

Às 8h de sexta-feira, a bolsa da gestante estourou e, durante mais uma tentativa frustrada de parto normal, ela acabou desmaiando, mas foi reanimada e obrigada a continuar tentando. Uma hora depois foi detectada uma hemorragia interna. “Pedimos para fazerem alguma coisa por ela, porque ela estava pedindo socorro dentro do hospital gritando. Apenas ao meio-dia levaram ela para a sala de cirurgia e depois, ninguém mais a viu”, relatou o marido.

 Ele disse que só foi ter novas notícias da mulher e do bebê às 16h de sexta-feira. Alegavam que a esposa estava bem, mas não deixavam vê-la. “Eles nos trataram muito mal e disseram apenas que ela estava bem, mas oito horas da noite (20h de sexta-feira) me ligaram dizendo que tinha acontecido alguma coisa com ela”, explicou Marcelo. Ao chegar lá, teve a notícia de que Neuciane precisava ser transferida para a Maternidade do Estado Ana Braga, no São José, Zona Leste.

A transferência ocorreu às 22h de sexta,. Ao chegar na Ana Braga, ela foi encaminhada à Unidade de Tratamento Intensivo, mas, às 11 de sábado, veio a óbito. Segundo o feirante, funcionários da Maternidade Ana Braga o informaram que Neuciane entrou na unidade hospitalar já em estado grave. “Eles disseram que fizeram tudo que foi possível, mas não conseguiram salvá-la”, concluiu. No mesmo dia, ele formalizou a denúncia em um Distrito Integrado de Polícia (DIP) e vai aguardar que o caso seja investigado. O bebê, uma menina de 3,8 quilos, passa bem.

O diretor clínico da Maternidade Mouta Tapajós, da rede pública municipal de saúde, Antônio Carlos Lúzio, informou que só poderá dar maiores detalhes do que ocorreu amanhã, quando tiver acesso ao prontuário da então paciente. Mas, ele garantiu que o caso será apurado por uma comissão da maternidade.