Publicidade
Manaus
Manaus

Greve dos vigilantes chega ao fim com reajuste salarial de 10,9%

Segundo a assessoria do TRT-AM, a reunião na sede do órgão (avenida Djalma Batista) iniciou às 14h, com a presença da presidente da Corte, Valdenyra Farias Thomé, de representantes do Sindvan e do Sindesp 04/05/2012 às 17:26
Show 1
Vigilantes percorrem ruas do Centro, em direção aos bancos, chamando integrantes da categoria para aderir à greve
Ana Carolina Barbosa Manaus

Membros das entidades de classe que representam a categoria dos vigilantes assinaram, por volta das 16h50 desta sexta-feira (04/05), um acordo, proposto pela presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-AM), Valdenyra Farias Thomé, que pôs fim à greve iniciada ontem, e que chegou a mobilizar quatro mil dos 12 mil membros da classe. Entre as melhorias obtidas junto à classe patronal está um reajuste salarial de 10,9%, elevando o piso de R$ 705 para R$ 782, valor abaixo dos 25% pleiteados.

Segundo a assessoria do TRT-AM, a reunião na sede do órgão (avenida Djalma Batista) iniciou às 14h, com a presença da presidente da Corte, Valdenyra Farias Thomé, de representantes do Sindvan (Sindicato dos Empregados em Empresas de Vigilância e Segurança de Manaus) e do Sindesp (Sindicato das Empresas de Vigilância, Segurança, Transporte de Valores e Cursos de Formação do Estado do Amazonas), além do procurador do trabalho Jorcinei Dourado do Nascimento (Procuradoria Regional da 11ª Região). Às 16h50 o acordo estava homologado.

A proposta aceita foi a seguinte: piso salarial de R$ 782, ticket alimentação de R$ 10 (aumento de R$1), divisor de R$220 (aumento de R$28), mais 20% ( o equivalente a R$156) de risco de vida, 10% abaixo do exigido no início da greve pela categoria.

A greve dos vigilantes foi deflagrada na última quarta-feira (02/05), no Centro de Manaus, e durou dois dias, prejudicando, principalmente, agências bancárias de Manaus – algumas cancelaram o expediente por conta da paralisação. Segundo informações do TRT, os que cederam ao movimento não serão penalizamos pelo ato, mas terão que compensar com trabalho extra.