Publicidade
Manaus
CRIMINOSO

Grupo armado incendeia residência e expulsa moradores na madrugada, em Manaus

Cinco encapuzados invadiram o local e botaram para fora mãe e filhas que estavam dormindo. Depois, eles colocaram fogo na residência 16/02/2018 às 10:18 - Atualizado em 16/02/2018 às 11:41
Show 3c692ad9 a585 44c7 878f 2d13668d4eb4
Foto: Divulgação
Amanda Guimarães Manaus (AM)

Um grupo armado invadiu uma residência, expulsou moradores e colocou fogo no local durante a madrugada desta sexta-feira (16), em Manaus, na rua Juca, bairro João Paulo, na Zona Leste da capital. Segundo a Polícia Civil, cinco homens encapuzados entraram no local, botaram para fora mãe e filhas que estavam dormindo e incendiaram tudo.

Conforme informações de policiais civis do 30º Distrito Integrado de Polícia (DIP), o incêndio criminoso aconteceu por volta das 2h de hoje. Os cinco criminosos chegaram ao local encapuzados e armados e pediram para uma mulher moradora e as duas filhas dela, duas adolescentes, que estavam dormindo, saírem imediatamente da residência. Se não obedecessem, elas seriam mortas.

Após incendiarem a residência, o grupo fugiu. A moradora, então, acionou o Corpo de Bombeiros, que chegou a tempo de apagar parte das chamas. A residência foi parcialmente destruída.

Uma vizinha da casa incendiada, que preferiu não se identificar, afirmou que por pouco o fogo não se propagou para outras residências. “Eu só escutei o barulho de noite. Mas não quis abrir a porta. Fiquei alguns minutos e depois ouvi o barulho do fogo. Depois a proprietária da casa veio até mim para chamar o Corpo de Bombeiros. O fogo ia passando para outra casa”, destacou.

Na última quarta-feira (14), uma casa nas proximidades também foi incendiado e sofreu perda total. A Polícia Civil acredita que os dois incêndios tenham sido cometidos por criminosos com envolvimento no tráfico de drogas.

A reportagem do Portal A Critica esteve no local para falar com a proprietária da casa incendiada nesta sexta-feira (16), mas ela não quis se pronunciar. A moradora também preferiu não registrar Boletim de Ocorrência por medo de represálias.

Publicidade
Publicidade