Publicidade
Manaus
Manaus

Grupo de 60 haitianos é expulso de igreja pentecostal na Zona Oeste de Manaus

A afirmação partiu do representante da Associação dos Trabalhadores Haitianos do Amazonas (ATHAM), Nestor Nascimento. 23/04/2012 às 22:52
Show 1
Haitianos estavam abrigados em uma igreja pentecostal localizada na Avenida Brasil
Piero Caíque Manaus

Um grupo de 60 haitianos que estava abrigado em uma igreja pentecostal localizada na Avenida Brasil, Bairro Santo Agostinho, Zona Oeste de Manaus, foi expulso na noite desta segunda-feira (23), a afirmação partiu do representante da Associação dos Trabalhadores Haitianos do Amazonas (ATHAM), Nestor Nascimento.

Segundo Nestor, há cerca de quatro dias um grupo de refugiados recém chegado a Manaus, foi abrigado em um prédio alugado pela Igreja Pentecostal Deus é Fiel. “Nosso acordo foi com o Pastor Jorge, de que eles ficariam aqui e que nós os ajudaríamos com a verba federal. Mas quando foi hoje a tarde ele disse que não me queria mais aqui e que eu podia levar todos os haitianos comigo, ele até ameaçou mandar me prender”, contou.

Segundo a haitiana Guirlene Cesar, de 25 anos, o grupo não está satisfeito no local, eles sofrem com ameaças do pastor. “Ele disse que ia mandar prender o Nestor, o Nestor é nosso amigo, ele faz tudo para ajudar a gente. Nós não precisamos passar por essa humilhação”, reclamou.

Procurado pela reportagem o Pastor Jorge dos Anjos, respondeu por telefone que não expulsou os haitianos, mas sim o representante da ATHAM. “Ele é um explorador, ele quer usar o dinheiro do povo pra benefício próprio. Eu vou mandar prender esse cara, porque ele não está fazendo coisa certa. Ele é espertalhão, e eu não quero corrupção na minha igreja, vou continuar a ajudar os haitianos, vamos acomodar, alimentar, dar roupas e beliches, vamos arrumar trabalho para eles. Eu proibi ele de entrar na sede da igreja”, disse.

A esposa do pastor, que estava presente no sede da igreja no momento da confusão, Pastora Marlene dos Anjos, informou ao acritica.com, que a igreja realiza um trabalho que abriga e dá condições para que os haitianos possam ter uma melhor estrutura em Manaus. “Eles chegaram aqui sem nada, nós ajudamos a todos eles, não estamos expulsando ninguém”, lembrou.

A presidente da ATHAM, Marie Ketly Vibert Franceschi, de 58 anos, informou que recebe verba federal para ajudar a custear alimentação e recursos para os haitianos no Brasil. E que a verba não pode ser desviada tendo em vista as necessidades dos refugiados. Até o fechamento desta matéria os representantes da Associação dos Trabalhadores Haitianos do Amazonas tentavam conseguir dois ônibus para retirar o grupo da igreja e levar para casa no bairro de Petrópolis.