Publicidade
Manaus
Encontro cadáver

Homem é morto em Manaus durante tiroteio entre traficantes

O corpo do desempregado Weiner Mardison Dias Duarte foi encontrado em local de difícil acesso. A polícia preciso da ajuda do Corpo de Bombeiros para poder retirá-lo 11/03/2012 às 20:04
Show 1
Identidade de homem cujo corpo foi encontrado neste domingo em Manaus
Catiane Moura Manaus

Um tiroteio entre traficantes, na avenida Vick, no João Paulo, Zona Leste, ocorrido sábado, por volta das 23h40, resultou no assassinato do desempregado Weiner Mardison Dias Duarte, 25,  mais conhecido como “Índio”. O suposto vendedor de drogas foi alvejado com dois disparos que lhe acertaram as costelas. Os autores do crime ainda não foram identificados pela polícia .

Moradores das proximidades onde o corpo foi localizado não quiseram se identificar e nem entrar em detalhes sobre o ocorrido, com medo de represálias. Alguns dos residentes da via apenas ressaltaram que durante a noite de sábado houve um tiroteio na área. “Eu ouvi uns quatro tiros. Mas nem abri a porta porque isso acontece com frequência nesta rua”, disse um morador.

Policiais militares da 14ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), informaram que foram acionados para atender a ocorrência por meio do 190, por volta das 13h30. Segundo os PMs, foi complicado encontrar o cadáver pelo fato do local do crime ser de difícil acesso. “Foi necessário auxílio do corpo de bombeiros para retirar o rapaz. Ele foi morto em um local de difícil acesso”, informou um policial militar da 14ª Cicom.

Segundo informações da Delegacia de Homicídios (DEHS), nenhum familiar da vítima foi ao local reconhecer a mesma. A polícia civil conseguiu localizar dentro de uma casa, próxima ao local do crime, a identificação da vítima. Segundo investigadores, material para embalagem de droga também foi encontrado na casa.

Alguns moradores da rua, revoltados com a criminalidade, informaram que por semana, no mínino ocorrem três tiroteios pela área. “Os traficantes transitam por aqui usando escopetas, armas de grosso calíbre. Ninguém pode fazer e nem falar nada, porque senão pode ser punido com a própria vida”, contou um morador que preferiu não informar o nome.

Outra fonte relatou que a área é considerada pela própria polícia como vermelha. “A polícia tem é medo de entrar aqui. Eles (traficantes) mesmos, falam em voz alta que se os policiais chegarem aqui  serão recebidos com  balas”, contou outro morador.

O sargento da 14ª Cicom, Souza Pires, contou que várias ocorrências são registradas na área, mas polícia já trabalhar para evitar estes crimes. “Estamos fazendo rondas diárias”,  disse o policial.