Publicidade
Manaus
Manaus

Homem que manteve jovem refém contabiliza quatro prisões; ele cumpria pena no semiaberto

Primeiro ele foi preso em flagrante no dia 28 de Março de 2009, por roubo. Foi julgado e condenado a pena de quatro meses de reclusão a ser cumprida inicialmente em regime aberto.  18/07/2015 às 19:55
Show 1
Visivelmente drogado ou bêbado, criminoso chegou a rir durante crime
Luana Carvalho Manaus (AM)

O detento do regime semiaberto Adgelson dos Santos Menezes, 26, que fez uma jovem refém por quase três horas na tarde deste sábado (18), já foi preso quatro vezes e responde a três processos no Tribunal de Justiça do Amazonas, sendo um por roubo, um por assalto e outro por tráfico de drogas e porte ilegal de arma. 

Primeiro ele foi preso em flagrante em março de 2009, por roubo. Foi julgado e condenado a pena de quatro meses de reclusão a ser cumprida inicialmente em regime aberto. 

No dia 12 de agosto de 2009, Adgelson cometeu novo crime descrito no artigo 157 do Código Penal Brasileiro (subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa),  quando recebeu nova condeção um ano e nove meses de reclusão, também no semiaberto.  Nove meses depois, ele voltou a ser preso por roubo. 

Em 2011, ele foi preso novamente. Dessa vez foi por tráfico de drogas e porte ilegal de armas na avenida Professor Nilton Lins, Parque das Laranjeiras, Zona Centro-Sul. Com ele, a polícia encontrou um revólver calibre 38 e trouxinhas de droga, entre cocaína e maconha. 

Ele foi condenado a cinco anos e nove meses de prisão e passou a cumprir a pena no regime semiaberto desde novembro do ano passado, por um pedido da Defensoria Pública do Estado, que alegou, segundo o processo,  “o bom comportamento do apenado". "Pode-se dizer que o mesmo pode se integrar à sociedade, ao convívio familiar, ao trabalho e poder provar que pode ser um bom cidadão e viver com honestidade”, diz o pedido.

Neste sábado, Adgelson foi preso, mais uma vez, por tentar assaltar e ter feito uma funcionária da agência de turismo Aboard refém por quase três horas.