Publicidade
Manaus
sinistro

Incêndio de grandes proporções atinge galpão da Seduc, no bairro Alvorada

De acordo com o secretário da Seduc, Rossieli Soares da Silva, o local que pegou fogo funcionava como depósito de coisas inservíveis, que não tem mais como ser recuperadas. De acordo com os Bombeiros, foram empregadas nove viaturas no combate, com a atuação de 20 agentes 07/05/2016 às 10:11 - Atualizado em 07/05/2016 às 10:15
Silane Souza Manaus (AM)

Na madrugada deste sábado (7), por volta de 2h45, um incêndio teve início em um galpão da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) localizado na rua Vivaldo Lima, bairro Alvorada, Zona Centro-Oeste de Manaus, que logo se tornou de grandes proporções. Equipes do Corpo de Bombeiros atuaram no local até 7h.

De acordo com o secretário da Seduc, Rossieli Soares da Silva, o local que pegou fogo funcionava como depósito de coisas inservíveis, que não tem mais como ser recuperadas. De acordo com o soldado Denis, responsável pela assessoria de comunicação dos Bombeiros, foram empregadas nove viaturas no combate, com a atuação de 20 bombeiros, comandados pelo major Clóvis.

"Utilizamos em torno de 70 mil litros de água para o combate às chamas e rescaldo", informou Denis. Para Rossieli, é bem provável que o sinistro tenha sido ocasionado propositalmente, após uma invasão ao local.

"Ainda é preliminar, mas houve invasão no prédio. Nós já estamos registrando uma ocorrência para que se faça uma perícia para saber se o incêndio foi criminosos ou não. Graças a Deus ninguém ficou ferido e o incêndio foi controlado, um trabalho muito eficiente dos Bombeiros. Isso é a coisa mais importante: a vida das pessoas", disse o titular da Seduc.

Ainda segundo Rossieli, a secretaria agora vai se preparar para fazer a recuperação do prédio. "Estamos acompanhando o caso e nos próximos dias a gente espera ter o laudo da Polícia e dos Bombeiros para entender quais foram as razões do incêndio. Esperamos nos próximos dias entender o que aconteceu lá para que a gente possa fazer a recuperação do prédio - assim que os Bombeiros entregarem o loca, até porque precisamos do espaço e é um patrimônio da Seduc", acrescenta.

O galpão servia como depósito de transição para coisas que não servem mais para as escolas, que vão a leilão ou são descartadas, "pois são coisas quebradas que não tem mais concerto", explicou Rossieli, desde livros até mobília. "Não há nenhum prejuízo aos nossos equipamentos, os outros depósitos são em locais diferentes: temos de merenda escolar, matérias de utilização e de livros didáticos...", completou. Por volta das 10h, o secretário se dirigiu ao local para avaliar os danos.