Publicidade
Manaus
MEIO AMBIENTE

Moradores transformam locais ociosos e com lixo em jardim e área arborizada

"Reutilizamos materiais como pneus, PVC, garrafas PETs e madeiras que estavam no lixo", disse o idealizador 08/08/2017 às 21:13 - Atualizado em 08/08/2017 às 22:07
Show capturar
O jardim criado por Anderson Gil e sua esposa Patrícia virou point no Galiléia (Fotos: Márco Silva)
Paulo André Nunes Manaus (AM)

A necessidade de arborização e a busca pela solução de problemas urbanos, como o descarte indevido de lixo e a ausência de espaços para a prática de atividades esportivas, estão fazendo com que comunitários de vários pontos de Manaus passem eles mesmos a criar locais onde o verde é tônica.

Na avenida Tenente Roxana Bonates, bairro Galiléia 1, Zona Norte, o radiologista Anderson Gil Cunha, 37, cansou-se de ver uma área em frente ao igarapé do Passarinho ficar sem qualquer utilidade. Desde fevereiro deste ano, junto com a esposa Patricia Gil Cunha e outros comunitários, ele arborizou o espaço público reutilizando materiais descartáveis e limpando o local, que ganhou bancos de concreto, mudas de árvores frutíferas e medicinais,jardins em forma de casinhas e de xícaras e até uma mini-academia de ginástica. Estava criado um jardim sustentável.

“Reutilizamos materiais como pneus, PVC, garrafas PETs e madeiras que estavam no lixo. Os vizinhos se solidarizaram e doaram mudas de acerola, cupuaçu e ingá e limpando a área. Queremos tentar conscientizar as pessoas mostrando que se pode fazer um pouco em prol da coletividade. Se cada um fizer um pouco todos viveríamos melhor”, comentou ele.

Um contraponto ao esforço de Anderson Gil, esposa e dos comunitários: na mesma avenida Roxana Bonates em frente o que hoje o jardim sustentável e horta, existe o fétido igarapé do Passarinho e uma invasão. “Os poderes poderiam fazer alguma coisa para impedir problemas como esses”, salienta Patricia Freitas Gil Cunha.

No Nova Cidade, a rua Camberra tem um trecho que é cuidado com carinho pela condutora de veículos Alessandra Arminda, 37. Por iniciativa própria, ela criou um jardim que desde o ano passado “clareia os olhos” de quem passa por aquela parte da Zona Norte. “Várias vezes eu plantei, mas as pessoas pisavam nas plantas. Mas, desde que coloquei pneus, esse problema acabou”, disse ela, que diariamente cuida do jardim florido de flores como Entrada de Baile, Lavadeira, Espada de São Jorge e Noiva.

Na rua Girassol, Coroado 3,  Zona Norte, vem outro exemplo: o  que era uma lxeira viciada se transformou no lindo Jardim Girassol feito pela iniciativa de moradores como Gilberto Vieira Gomes, 25. “Foi difícil no início, quando jogavam lixo no jardim. Mas fomos levando, zelando e, com a força da comunidade, no último dia completamos  um  ano”, disse Gilberto.