Publicidade
Manaus
TIROTEIO

Inquérito de homicídio de advogado no Porão é encaminhado à Justiça, diz PC

Laudos periciais da arma usada e a necropsia não constam no inquérito encaminhado pela Polícia Civil a 1ª Vara do Tribunal do Júri 04/12/2017 às 15:24
Show tiroteio 333
O delegado da Polícia Civil, Gustavo Sotero, matou o advogado e permanece peso (Foto: Reprodução/ACrítica)
Joana Queiroz Manaus (AM)

O inquérito policial sobre o homicídio do advogado Wilson Justo Filho e tentativa de homicídio contra a esposa dele, Fabíola Rodrigues, além dos empresários Iuri Paiva e Mauricio Rocha, foi encaminhado na manhã desta segunda-feira (04) à Justiça. As informações são do delegado da Polícia Civil do Estado do Amazonas (PCAM), Josué Rocha.

Os tiros foram disparados pelo delegado Gustavo Sotero, na madrugada do último dia 25, no Porão do Alemão. Ele está preso na sede da Delegacia-Geral. 

De acordo com o delegado, o inquérito seguiu para a Justiça faltando algumas peças, como os laudos periciais da arma e necropsia - entre outros que só devem ficar concluídos dentro de 30 dias. O delegado não informou se será pedido o retorno do inquérito para que sejam concluídas algumas diligências em virtude dos resultados.

Dez dias era o prazo para que o inquérito da morte de Wilson Justo fosse concluído. O delegado geral adjunto Mariolino Brito determinou que o auto de flagrante que começou no 19º Distrito Policial, na avenida Coronel Teixeira, fosse encaminhado para a Delegacia Geral e criou uma comissão formada pelos delegados Antônio Chicre Neto, Josué Rocha, três investigadores da Delegacia Especializada em Homicídios e Seqüestros (DEHS) e representantes da Ordem dos advogados do Brasil (OAB/AM).

Por meio de sorteio, o inquérito do homicídio do advogado caiu para a 1ª Vara do Tribunal do Júri e o processo será instruído pela juíza Mirza Telma de Oliveira.  Até o final às 15h, o inquérito ainda não tinha chegado ao cartório da Vara.