Publicidade
Manaus
DENÚNCIA

Ipaam paralisa atividade de indústria após derramamento ilegal de líquido em igarapé

Descarte de resíduos as águas do igarapé do Mauá, na Zona Leste de Manaus, foi flagrada por vídeo e denunciada em uma rede social 22/01/2018 às 16:57 - Atualizado em 22/01/2018 às 17:29
Show c7d81f1c 4aa2 4b30 b170 60c8556cf359
Gilson Mello/Free Lancer
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Uma equipe da gerência de fiscalização do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) paralisou parte das atividades e notificou a Eternal Indústria Comércio, Serviços e Tratamento de Resíduos da Amazônia Ltda, localizada na Zona Leste de Manaus, na manhã desta segunda-feira (22), após um flagrante de derramamento ilegal de resíduos líquidos nas águas do igarapé do Mauá, localizada nos arredores da empresa.

Apenas as atividades de limpeza de filtros paralisadas. Além da paralisação, ocorrida na manhã desta segunda-feira (22), os fiscais do Ipaam também coletaram a água do lago para realizar exames junto ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) para saber que tipo de produto a empresa estava usando e o dano ambiental que pode ter sido causado naquela região.

A fiscalização partiu de uma denúncia anônima feita por vídeo em uma rede social na qual um suposto freqüentador do rio, em uma embarcação, gravou o momento em que os resíduos eram despejados diretamente no igarapé. Nas imagens, o morador da área critica a ação da empresa e ressalta que as águas onde as pessoas pescam está contaminada.

A empresa fica localizada na rua Guiana Francesa, 1, Aleixo, na Zona Leste da cidade,e tem dois dias para justificar, por escrito, ao Ipaam porque estava descartando o resíduo no lago e qual o produto utilizado naquela atividade.

“A pessoa jurídica/pessoa física acima identificada fica notificada, de acordo com o artigo 59 do decreto Estadual nº 10.028 de 04.02.87, a prestar as informações e atender convocação, solicitação e decisões do Ipaam, abaixo discriminadas, no prazo de 2 (dois) dias a contar do recebimento desta notificação”, disse o documento de notificação do Ipaam.

“A partir dai, dependendo das informações e dos exames da água coletada, o órgão poderá proceder com a aplicação de multa, a qual ainda deve ser calculada”, disse Abener Brandão, gerente de Fiscalização Ambiental do órgão (Gefa) do Ipaam.

Outro lado

A reportagem tentou contato com a empresa Eternal por meio do telefone (92) 3616-4700, para obter a versão da indústria sobre a notificação, e foi informada que a pessoa responsável por dar a informação não estava no local, mas que retornaria as ligações. Por volta de 15h35, a assessoria de comunicação da indústria informou que o líquido despejado no rio foi decorrente da limpeza de uma caixa d’água de 250 mil litros da empresa e que é utilizada, inclusive, para o combate a incêndio, e que a mesma não estava contaminada.

“Não houve nada de contaminação nessa água, que é mineral e do qual os Bombeiros pedem que sempre a gente renove a água desta caixa d’água. A mancha de óleo que foi verificada nas águas do igarapé veio da própria rabeta do homem que fez o vídeo. “Água parada não suja. Somos uma empresa certificada”, informou a Eternal por meio de sua assessoria.

O proprietário da empresa, Jayme Chaves, também entrou em contato com a reportagem por telefone. “A fiscalização do Ipaam não constatou nenhum derramamento de óleo ou agressão ao meio ambiente. Nós também vamos contratar uma empresa certificada para fazer um laudo para mostrar que não houve contaminação. Estamos há 47 anos no mercado e tratamos esse igarapé com muito carinho, fazendo inclusive limpezas periódicas de resíduos sólidos”, disse Jayme Chaves.

Denúncias

Casos de suspeita de crime ambiental podem ser denunciados pelos telefones do Disque-Denúncia do Ipaam, que são 2123-6715 e 2123-6729.