Publicidade
Manaus
TRANSPORTE

Limite de 30 segundos para passar na catraca revolta usuários em Manaus

A medida passou a valer na capital nesta segunda-feira e já é alvo de críticas por parte dos usuários do transporte público coletivo 04/09/2017 às 14:03 - Atualizado em 04/09/2017 às 16:50
Show sdasd
(Foto: Euzivaldo Queiroz)
Alik Menezes Manaus (AM)

Implantada em uma semana atípica, sem o grande fluxo de passageiros em virtude de dois feriados, a norma que obriga os usuários do transporte coletivo de Manaus, que pagam com cartão PassaFácil, a passarem pela catraca em até 30 segundos após encostarem o cartão, já vem causando polêmica e revolta entre pessoas que utilizam o ônibus diariamente.

Segundo norma do Sinetram, a partir desta segunda-feira (4) os usuários têm até 30 segundos nas catracas, e a medida foi implantada após um equipamento chamado ‘solenoide’, dispositivo que fica dentro da catraca, começar a dar problemas por aquecimento devido ao tempo acionado.

O estudante de agronomia Carlos Souza de Santos, 22, disse que a decisão é absurda e prejudica ainda mais os usuários que pagam uma das tarifas mais altas do País. “E se eu não passar nos 30 segundos e não tiver mais dinheiro ou passe, como vai ser? Essa norma é um absurdo, é um estupro”, disse.

A auxiliar de escritório Camila da Silva Campos, 26, disse que, provavelmente, o tempo é suficiente quando o ônibus não estiver lotado, mas será prejudicial quando o coletivo estiver lotado e os usuários tiverem carregando sacolas ou mochilas. “Muitas vezes é bem complicado passar nesse tempo porque a gente carrega coisas e se equilibra para não cair. Vai ser complicado e é revoltante. Somos prejudicados de todas as formas”.

Usuário não será prejudicado, diz Sinetram

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) informou que os usuários dos cartões PassaFácil, não serão prejudicados com o tempo de passagem de 30 segundos nas catracas dos ônibus. A medida vale apenas para os usuários que pagam com os cartões.

“Não haverá problema com o pagamento de nova tarifa. O usuário só encosta o cartão no momento em que ele vai passar na catraca. O tempo que ele usa para passar, depois que ele faz a liberação, é de poucos segundos. Fizemos estudos e detectamos que 30 segundos é tempo larga margem de sobra”, destaca o diretor da ACOP/Sinetram, Azarias Carvalho.

De acordo com a instituição, a medida foi adotada depois que um equipamento chamado "solenoide", dispositivo que fica dentro da catraca, estava queimando por aquecimento devido ao longo tempo acionado e aumentando consideravelmente o recolhimento de ônibus para reparos. Foram feitos testes no laboratório da empresa Dataprom, responsável pelo sistema de bilhetagem, e depois em ônibus das empresas Vega e Expresso Coroado, que já estão operando neste modo há várias semanas sem problemas.

Publicidade
Publicidade