Publicidade
Manaus
Meio Ambiente

Descarte irregular de lixo eletrônico ameaça o meio ambiente

Estudos apontam que em 2020, mais de seis toneladas de lixo eletrônico serão descartados em Manaus 09/07/2017 às 05:00
Show lixo eletronico 2
Resíduos gerados por equipamentos obsoletos ou defeituosos (Fotos: Winnetou Almeida)
Silane Souza Manaus (AM)

Estudos apontam que a geração de lixo eletrônico em Manaus, em 2020, chegará a mais de seis toneladas por ano. Isso considerando apenas os resíduos de celular, TV, geladeira e computador. Logo, este número deve ser bem maior visto que existem outros tipos de equipamentos eletrônicos se tornando obsoleto (ultrapassado) a cada ano e a cada  novo lançamento. 

E o que fazer com todo esse lixo? É de conhecimento da sociedade em geral que o descarte dos resíduos produzidos a partir de equipamentos eletrônicos que apresentam defeitos ou se tornam obsoletos, têm se tornado um grande problema ambiental quando não é feito em locais adequados por causa de substâncias tóxicas usadas como matérias-primas deles, além de gerar riscos a qualidade de vida das pessoas.

Para o doutor em Engenharia Elétrica Carlos Augusto de Moraes Cruz, uma das saídas é o reaproveitamento. De acordo com ele, o lixo eletrônico é muito rico. “Pode ser usado para recuperar um equipamento e alguns dispositivos têm pontos de conexões feitos com ouro, além de alumínio, cobre e vários elementos químicos que podem ser revendidos as indústrias para que sejam reutilizados como matéria prima”, explicou.

Reaproveitamento das peças é a saída, diz  professor Carlos Moraes Cruz

Cruz atua na área de pesquisa e desenvolvimento de circuitos integrados na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e diz que os componentes eletrônicos que contém líquidos na composição deles, como  capacitores, resistores e transistores, não podem ser descartados em qualquer lugar porque contamina o solo e a água e, consequentemente, é perigoso para o ser humano em alta quantidade. 

Já os circuitos integrados,que tem os fios de ouro, quem descarta está perdendo dinheiro porque eles têm certo valor. Contudo, ele ressalta que todos os tipos de lixo eletrônico precisam ser descartados corretamente como prevê a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). “O resíduo eletrônico é uma coisa que nós sabemos que existe a necessidade de ser trabalhado. Precisamos de maior conscientização”, frisou. 

Fios de ouro são componentes de circuitos integrados que são desperdiçados

Reaproveitamento 

Quem deseja se desfazer corretamente de um equipamento eletrônico obsoleto há várias formas de fazer isso. Existem instituições em Manaus que realizam desde a coleta até a reciclagem e destinação final dos resíduos. Uma delas é a Descarte Correto, no Parque Shangrilá, Zona Centro-Sul. A empresa social presta serviço para grandes multinacionais do Polo Industrial (PIM) e a população como todo. 

A diretora comercial da Descarte Correto, Caroline Dinelli, explica que ao chegar à empresa, o resíduo eletrônico é levado a bancada de manutenção, onde se verifica sua possibilidade de reaproveitado como produto, caso não seja possível, é encaminhado a de manufatura reversa para ser desmontado. “Cada material é separado para empresas recicladoras que fazem o reaproveitamento das matérias-primas”, disse.

Quando chega a Descarte, equipamento vai para bancada de manutenção onde verifica se pode ser reaproveitado

No caso dos computadores recuperados, são direcionados ao projeto de “Inclusão Digital” que promove mais de 40 cursos de audiovisual para pessoas carentes. “Não fazemos doação. Nós levamos a comunidade uma minifranquia e ensinamos a empreender. As instituições interessadas só precisam ter espaço para as aulas e CNPJ. Hoje, há nove centros de inclusões digitais, três deles no interior”, revelou Dinelli.


Equipamentos recuperados ajudam a tirar jovens do analfabetismo digital

Doação:

A Descarte Correto recebe doações de pessoas físicas e jurídicas. A coleta pode ser solicitada através do email: contato@descartecorreto.com.br ou pelos telefones: (92) 4102-0013 / 99302-6517 ou ainda entregue pessoalmente na sede da empresa, a rua Carbonita, nº 01, Parque Shangrilá I, Parque Dez de Novembro.

Lixo eletrônico é todo resíduo material produzido pelo descarte de equipamentos eletrônicos, como monitores de computadores, telefones celulares e baterias, computadores, notebooks, televisores, câmeras fotográficas, impressoras, entre outros.

O peso deste ‘lixo’

A pesquisa de mestrado que apontou a estimativa de resíduos eletrônicos pós-consumo para o ano de 2020,  em Manaus, foi desenvolvida por Jaqueline Araújo, e se transformou em livro com tema “Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Residenciais em Manaus”, publicado em 2016.

 Logística reversa precisa avançar

A lei 12.305/2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), específica a responsabilidade por parte de fabricantes, importadores e revendedores pelo recolhimento de produtos passíveis de contaminação. Para a presidente da Comissão para Tratar do Gerenciamento dos Resíduos Sólidos da Universidade Federal do Amazonas (CGRS/Ufam), Karime Bentes, a chamada logística reversa funciona, mas ainda precisa avançar muito. 

“Precisa de logística para outros tipos de materiais como de informática, toner de impressora, por exemplo. Temos muito desses materiais na universidade. Mas, em Manaus, só tem a empresa Hp que faz o recolhimento e só de sua marca. Se os resíduos não forem de pilhas e baterias temos que pagar para serem recolhidos. E a logística reversa, como fica?”, indagou Karime.

Secretaria apoia catadores

A maioria dos resíduos eletrônicos em Manaus é coletada pelos catadores de materiais recicláveis autônomos e sucateiros, de acordo com a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp). 

Uma pequena parcela é recolhida por grupos de catadores parceiros da prefeitura e vão para os galpões para desmanche e posterior comercialização de suas partes. 

No total, conforme a Semulsp, existem sete galpões cedidos aos catadores para que estes tenham condições de ampliar a capacidade produtiva e estimular a respectiva atividade. 

E a secretaria realiza diversas atividades voltadas para orientação ambiental junto à comunidade sobre o manuseio e descarte correto dos seus resíduos gerados, entre eles: o eletrônico, devido os impactos que estes podem causar ao meio ambiente e a saúde das pessoas por ser material que possui diversas substâncias tóxicas.

A Semulsp informou que também trabalha para que as diversas legislações sobre resíduos sejam cumpridas, reduzindo os impactos ao meio ambiente e demais riscos a qualidade de vida das pessoas causadas por eles. 

A Secretaria Municipal de Limpeza Urbana informou ainda que não realiza a coleta deste tipo de resíduo visto que o mesmo, conforme lei federal  12.305/2010, deve retornar por meio da logística reversa e serem reinseridos na cadeia produtiva.

Todavia, conforme a pasta, existem uma gama de empresas particulares na capital que realizam a coleta e reciclagem de resíduo eletrônico e/ou suas partes, o que não é reciclado na cidade é encaminhado para outros Estados e até outros países.