Publicidade
Manaus
GUERREIRO

Lutador de jiu-jítsu de 10 anos tem coração operado no Hospital Francisca Mendes

Jackson Izel Júnior nasceu com uma má formação no coração, que só poderia ser resolvida com cirurgia 28/07/2017 às 16:01 - Atualizado em 28/07/2017 às 16:03
Show jackson
Jackson Izel, 10, ao lado da mãe, a assistente social Meire Izel, 41. Foto: Antônio Lima/Arquivo AC
acritica.com Manaus (AM)

O Hospital Universitário Francisca Mendes (HUFM) realizou com sucesso, na manhã desta sexta-feira (28), a cirurgia de Jackson Izel Júnior, de 10 anos. Atleta amador de jiu-jítsu, a criança foi diagnosticada em dezembro de 2016 com uma má formação no coração, que só poderia ser resolvida com cirurgia.

O procedimento foi realizado por uma equipe comandada pelo coordenador clínico do serviço de cardiopediatria do HUFM, Ronaldo Camargo. De acordo com ele, a equipe fez a opção por realizar um procedimento menos invasivo, que não precisou abrir o tórax do paciente

“Pelo método não invasivo, através de uma veia da perna, um dispositivo é colocado dentro de cateteres finos, chegando ao defeito do coração e fechando”, explica Ronaldo.

O médico afirma que, no caso de Jackon, a opção pelo método menos invasivo ajudará na recuperação mais rápida do pequeno lutador, permitindo que ele retome o mais breve possível suas atividades esportivas.

“Com esse procedimento, o Jackson não precisará ficar em UTI (Unidade de Terapia Intensiva), e em 24 horas terá alta. Este é um grande avanço da medicina que, a exemplo dos melhores serviços do Brasil, o nosso Estado está executando”, ressalta o coordenador do serviço de cardiopediatria do HUFM.

O diretor do hospital, Pedro Elias, explicou que além da recuperação rápida do paciente, o procedimento realizado em Jackson evita a ocupação de leitos de UTI. “Para você ter uma ideia, ele está na enfermaria. E amanhã (sábado) já deve ter alta, e seguir apenas com o acompanhamento ambulatorial”, afirmou.

Ronaldo diz que, em média, 1% das crianças nasce com alguma doença no coração. Desse número, 60% vão precisar passar por cirurgia. Ele explicou ainda que os sintomas das doenças não são percebidos nos primeiros anos de vida.

“Essa doença do Jackson, geralmente, a criança só começa sentir os sintomas quando começa praticar atividades físicas, na escola, com uma idade já mais avançada”, explica Ronaldo.

Durante as competições e treinamentos, onde se exigia bastante esforço, Jackson sentia tonturas, chegando a desmaios.

Entenda a doença

Jackson nasceu com uma má formação do coração conhecida na medicina como “Comunicação Interatrial”. É quando a estrutura (septo interatrial) que divide parte do coração entre os lados direito e esquerdo não se forma direito. Por conta desse defeito (buraco) o sangue com e sem oxigênio, que circula em lados diferentes do órgão, acaba se misturando.

Referência

O HUFM é a unidade de referência na rede estadual de saúde para o atendimento ambulatorial e cirúrgico na área de cardiologia adulto e pediátrico.

Na área de cardiopediatria especificamente, o HUFM realiza 1.200 exames em crianças por ano. Em dois anos, foram realizadas 214 cirurgias.

Ainda na área de cardiopediatria, o hospital é a única do estado que possui um ecocardiograma infantil de alta precisão. O equipamento fornece imagem tridimensional em tempo real, ampliando a capacidade de diagnóstico de doenças do coração, acelerando as indicações de tratamento e cirurgias corretivas.

Em número

3 mil é a quantidade de testes do coraçãozinho que são realizados por ano nas maternidades da rede estadual de saúde.

1 hora foi o tempo que durou a cirurgia de Jackson Izel Júnior. Em 24h ele dever receber alta.