Publicidade
Manaus
DEBATE

Manaus tem programação especial para combate de doenças mentais e hanseníase

Confira a lista das atividades que serão realizadas durante o mês de janeiro. As ações variam entre rodas de conversas, programação para crianças e seminários 22/01/2018 às 07:14 - Atualizado em 23/01/2018 às 08:55
Show combate de hanseniase
Neste mês, a hanseníase será tema de eventos na cidade (Foto: Reprodução Internet)
Silane Souza Manaus (AM)

O mês de reflexão, debate e planejamento em prol da saúde mental e também de conscientização sobre a hanseníase – “Janeiro Branco” e “Janeiro Roxo”, respectivamente –, está repleto de ações em Manaus. Para ajudar os interessados em acompanhar a programação, A CRÍTICA separou algumas delas e mostra nesta matéria.

Com relação ao “Janeiro Branco”, até o dia 31 deste mês, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) realiza rodas de conversa, palestras, vídeos e distribuição de material informativo sobre saúde mental. As atividades acontecem nos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e Unidades Básicas de Saúde (UBSs) das zonas urbanas e rural.

No próximo dia 25, é a vez da Secretaria de Estado de Saúde (Susam) promover a ação “Brincar também é Saúde Mental”. O evento acontecerá no Centro de Atenção Integral a Criança (Caic) José Carlos Mestrinho, na rua 5, no bairro Alvorada, Zona Centro-Oeste, e chamará atenção de pais e responsáveis das crianças atendidas na unidade para a importância do brincar para o desenvolvimento dos filhos.

Esta ação será das 13h às 16h, e ainda oferecerá às crianças brincadeiras como Elástico, Amarelinha, Escravos de Jó, Dança da estátua, Bambolê, Corrida de fichas, Cinco Marias, Jogo da forca e desenhos para colorir.

Também no mesmo dia, será realizado no Caic Dra. Maria Helena Freitas de Góes, na avenida Chico Mendes, Novo Israel, Zona Norte, às 10h30, uma palestra sobre a Síndrome de Bournout – um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso. O público alvo é pais interessados em saber mais sobre sinais e sintomas de doenças mentais.

Além dos Caics, o Centro de Atenção Psicossocial Silvério Tundis, no bairro Santa Etelvina, Zona Norte, e o Centro de Reabilitação em Dependência Química Ismael Abdel Aziz (CRDQ), na rodovia AM-010, Zona Rural, também têm programações voltadas para temas relacionados à saúde mental, durante todo o mês.

Quanto ao “Janeiro Roxo”, a Fundação Alfredo da Matta (Fuam), promove, no próximo dia 24, a partir das 9h, o Seminário “Cenário Atual da Hanseníase”. O evento será no auditório Damião Litaiff, situado na sede da instituição, na avenida Codajás, bairro Cachoeirinha, Zona Sul.

A palestra gratuita tem como objetivo discutir a situação da Hanseníase e debater estratégias de controle da doença, incluindo o esquema único de multidrogaterapia (MDT-U), proposta em fase de aprovação pelo Ministério da Saúde e que teve a Fuam como uma das instituições participantes do estudo.

Já no dia 27, das 8h às 12h, será realizado um mutirão dermatológico na Escola Estadual Gilberto Mestrinho, localizada na rua Danilo Areosa, bairro Colônia Antônio Aleixo, Zona Leste. Entre os serviços que serão oferecidos pelo mutirão estão exames de pele, consultas com profissionais em dermatologia, testagem rápida para HIV, sífilis e hepatite, além da vacinação contra HPV e Meningocócica C.

De acordo com a Semsa, o mutirão dará início às atividades da Semana Municipal de Combate à Hanseníase, que ocorrerão até o dia 2 de fevereiro, que busca intensificar as ações voltadas para o combate à doença, com a realização de rodas de conversa nas UBSs, palestras educativas em associações e empresas, bem como mutirões de atendimento.

Workshop

No próximo dia 26, a partir das 8h, o Instituto de Medicina Tradicional e Psicologia (IMTP) realizará um worshop motivacional, com estratégias e ferramentas para transformar sonhos em realidade, sair da zona de conforto e se surpreender com suas potencialidades. Informações podem ser obtidas pelos telefones: 3030-4687 / 98200-4687.

Intensificação das atividades

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, informou que buscando adequar o controle da hanseníase, a Semsa vai intensificar as atividades de busca ativa de casos por meio de exames rigorosos de contatos domiciliares e sociais, além de tratamento adequado dos casos diagnosticados.

"Janeiro Branco"

A coordenadora da Rede de Atenção Psicossocial do Amazonas, Luciana Diederich, diz que é importante que desde cedo os pais fiquem atentos às relações e interações que os filhos desenvolvem, porque são nessas experiências, ruins e boas, que o indivíduo constrói sua personalidade.

“É nessa fase da vida que a gente passa por frustrações, e elas vão construir nossa identidade. Isso vai se refletir na vida adulta. Então, os pais devem ficar atentos para o quanto a criança é feliz, brinca e interage com as outras. É interessante notar que, quase sempre, os traumas e medos que os adultos revelam estão relacionados à infância deles”, conta.

A psicóloga e técnica da Coordenação da Rede de Atenção Psicossocial do Amazonas, Nayandra Stéphanie Souza Barbosa, explica que a campanha Janeiro Branco é dedicada a colocar os temas da Saúde Mental em evidência no mundo, com discussões sobre prevenção ao adoecimento emocional.

"Janeiro Roxo"

O secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, explica que a campanha “Janeiro Roxo” tem como objetivo alertar e sensibilizar a população sobre a hanseníase, seus primeiros sintomas e a importância do tratamento precoce, evitando o surgimento de deformidades e sequelas. As ações, disse ele, visam também sensibilizar os profissionais de saúde para a busca ativa de casos para interromper a cadeia de transmissão da doença.

Os casos de Hanseníase no Amazonas reduziram nos últimos anos, passando de 44,3 para cada grupo de 100 mil habitantes, em 2000, para 10,98 para cada 100 mil habitantes, em 2017, o que representa uma queda de 75,2% em 17 anos. Em Manaus, a redução foi ainda mais significativa, de 86,1%  em 17 anos, apresentando hoje 5,91 casos para cada 100 mil habitantes.

Apesar da redução dos números, os médicos alertam para que a população faça consultas periódicas. Em 2017, foram detectados 446 casos novos de Hanseníase no Amazonas. Do total de casos novos, 126 (28,3%) eram residentes em Manaus e 320 (71,7%) moradores de outros 56 municípios. Em 2016, foram 443 casos.