Publicidade
Manaus
Manaus

Manaus terá mais sete bancos comunitários

Investimento total é de R$ 525 mil, incluindo formação de gestores 03/04/2012 às 08:25
Show 1
Ediey Lino tem loja na Colônia Antônio Aleixo e recebe moeda comunitária
jornal a crítica ---

Até o fim do primeiro semestre deste ano, Manaus deve contar com mais sete bancos comunitários, que visam estimular o desenvolvimento econômico local através de moeda social. O primeiro da lista será o Aruak, no bairro Colônia Terra Nova, Zona Norte, no dia 15 deste mês. Para evitar a baixa adesão dos comerciantes, a Secretaria Municipal de Trabalho e Desenvolvimento Social (Semtrad) deve inaugurar os novos bancos já com recurso disponível para o empréstimo produtivo, orçado em R$ 50 mil para cada um.

O investimento total nos sete bancos está estimado em R$ 525 mil, incluindo a formação dos gestores dos bancos e o lastro (recurso) para o crédito produtivo. Hoje estão em funcionamento na cidade dois bancos comunitários, certificados pela rede brasileira de bancos comunitários. Um é o Conquista, no bairro Colônia Antônio Aleixo, Zona Leste, que possui a moeda social Liberdade. O outro é o banco Liberdade, localizado no bairro Morro da Liberdade, Zona Sul, que atua com a moeda Tucumã. Cada moeda social pode ser usada apenas no bairro de origem e tem o mesmo peso do Real. De acordo com o secretário da Semtrad, Vital Melo, o Município entendeu que o microcrédito produtivo - empréstimo de R$ 300 a R$ 3 mil para os comerciantes iniciarem ou incrementarem os negócios - tem de ser imediato, junto com a inauguração dos bancos. Os juros variam de 1% a 3%.

Regularizados

 No Conquista e Liberdade, a liberação do valor ainda não foi possível em função de problemas de regularização dos imóveis e pendências jurídicas. O banco do Morro da Liberdade foi construído numa unidade da prefeitura, mas o processo está junto com o da Colônia Antônio Aleixo, por isso ficou inviável. Agora já foi desmembrado. “Para os novos bancos só foram selecionadas instituições com imóveis regularizados”, disse Vital.

Para estimular o uso da moeda social, os bancos comunitários credenciam estabelecimentos comerciais e estes podem oferecem descontos de 5% a 10% nos valores dos produtos ou serviços. Também são realizadas mensalmente feiras de economia solidária e estímulo a cooperativas produtivas. De acordo com a Semtrad, além do Aruak (Colônia Terra Nova), serão inaugurados bancos comunitários no Puraquequara, que tem como proponente a Associação de Moradores, Colônia Oliveira Machado (Associação de Moradores), Compensa (Associação das Mulheres Empreendedores), Parque São Pedro (Associação de Moradores), Comunidade Nossa Senhora de Fátima, Tarumã (Cooperativa Agrofrutas) e São José I.