Publicidade
Manaus
Manaus

Marido agride esposa com cabo de vassoura, na Zona Oeste de Manaus

A família da vítima suspeita que a agressão foi motivada por ciúmes. 27/05/2012 às 22:25
Show 1
A ocorrência de Karen Viana reforça os índices de violência doméstica no Estado
Milton de Oliveira/ Juliana Sá Manaus

A assistente de Recursos Humano (RH), Karen Vieira, 24, foi brutalmente espancada com murros e um cabo de vassoura pelo marido Ricardo Maia de Paula Junior, 27, neste fim de semana, na própria casa do casal, situada na rua Solimões, no bairro Santo Agostinho, Zona Oeste de Manaus. A família da vítima suspeita que a agressão foi motivada por ciúmes.

Depois da agressão sofrida, Karen e os filhos passaram o domingo na residência da mãe dela, na Zona Norte. Inconformado com a separação, Ricardo Maia tentou invadir a casa ontem pela tarde para espancar novamente a esposa. “Ele chegou e elas fecharam as portas com medo. Eu estava fora, mas consegui chegar a tempo para dominá-lo”, disse o padrasto Marcelo Nascimento, que chamou a polícia. O agressor foi levado à delegacia da mulher, Zona Centro Sul, onde foi autuado por lesão corporal, ameaças e injúria, e ficou preso. A fiança arbitrada foi de R$ 8 mil.

Segundo a vítima, o espancamento começou depois de uma discussão na madrugada da última sexta-feira. “Já estávamos dormindo, com as duas crianças no quarto. Por volta da 1h, eu me levantei para beber água e ele já estava sentado ao computador. Quando eu voltei, ele me pediu um favor e eu disse que estava muito cansada, porque havia trabalhado o dia todo. Então, ele começou a bater na minha cabeça violentamente”, contou.

Ainda segundo a assistente de RH, ela começou a gritar no quarto e foi empurrada para a sala da residência para não acordar as crianças. “Na sala, ele me jogou no sofá e continuou a sequência de socos e murros pelo meu corpo. Depois, disse que estava cansado e pegou um cabo de vassoura e bateu várias vezes nas minhas pernas”, disse.

Ao amanhecer, com os hematomas por todo o corpo, Karen fez a denúncia na delegacia da mulher. “Eu fiz a denúncia, mas até agora não aconteceu nada com ele. Tenho medo de que ele desapareça com os meus filhos ou possa me matar, como ele prometeu quando estava me espancando”, revelou.

De acordo com a família, Ricardo não trabalha e depende do aluguel de um imóvel deixado pela avó da vítima. “Eu acho que ele sente ciúmes dela porque ela trabalha e estuda e ele passa o dia sem fazer nada”, desabafou Marcelo Nascimento.