Publicidade
Manaus
Manaus

Metalúrgica do Pólo Industrial furtava R$ 39 mil em energia elétrica de subestação em Manaus

O volume desviado de energia foi 105.000 kWh, o equivalente a um prejuízo estimado de R$ 39 mil e suficiente para atender uma comunidade com cerca de 350 residências pelo período de um mês 06/06/2014 às 11:29
Show 1
A metalúrgica fica localizada na avenida Buriti, no Distrito Industrial de Manaus
ACRITICA.COM ---

Uma metalúrgica do Pólo Industrial de Manaus (PIM) foi identificada furtando energia elétrica por meio de uma subestação clandestina de 112,5 KVA, informou a concessionária Eletrobras Amazonas Energia nesta sexta-feira (6). A empresa é localizada na avenida Buriti, Distrito Industrial, na Zona Sul da capital, e foi fiscalizada pela Eletrobras e pela Polícia Civil na quinta-feira (5).

O crime de furto de energia foi identificado pela perícia do Instituto de Criminalística (IC) e por equipes de inspeção da concessionária. Segundo a assessoria do órgão, foi verificado que a unidade consumidora da metalúrgica deveria estar sendo atendida em baixa tensão, porém tal unidade era suprida, irregularmente, por um transformador clandestino, ligado à rede de média tensão, ou seja, 13.800 volts.

De acordo com análise preliminar da Eletrobras, o volume desviado de energia elétrica foi da ordem de 105.000 kWh, o equivalente a um prejuízo estimado de R$ 39 mil. De acordo com a concessionária de energia, o valor é suficiente para atender uma comunidade com cerca de 350 residências pelo período de um mês.

Um dos sócios da indústria metalúrgica disse reconhecer que a unidade encontrava-se irregular com a Eletrobras Amazonas Energia, mas ele tentou justificar a situação informando que havia grandes equipamentos na fábrica, e que a rede de baixa tensão não seria suficiente para atender à demanda da empresa.

Depois de prestar esclarecimentos e de comprovar que a metalúrgica não pagava corretamente o consumo de energia, o diretor comercial da empresa solicitou orientação da Eletrobras para regularizar a situação. Ele deverá prestar depoimento no 25º Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde o caso continua sendo investigado, sob sigilo.

O laudo da perícia do Instituto de Criminalística sobre o consumo de energia indicará se houve ou não crime de desvio por parte da metalúrgica, que também teve o fornecimento de energia suspenso. Conforme a Eletrobras, casos “agressivos” como esse comprometem a qualidade do fornecimento e distribuição do serviço. 

*Com informações da assessoria de imprensa