Publicidade
Manaus
Manaus

Militantes partidárias avaliam destino do voto

Série de encontros a serem realizados em Manaus discute a baixa representação feminina no  Legislativo e no Executivo 23/02/2013 às 12:11
Show 1
Parlamentares e militantes partidárias durante o primeiro encontro do Fórum de Mulheres de Partidos Políticos
mariana lima ---

O Fórum de Mulheres de Partidos Políticos do Amazonas iniciou nessa sexta-feira (22), uma série de encontros com o intuito de promover o crescimento do número de candidatas a cargos eletivos e a votação de eleitoras em mulheres candidatas. O encontro contou com a participação de 40 mulheres filiadas a nove partidos políticos representantes da capital e do interior do Amazonas.

Entre os partidos representados nessa sexta, no auditório da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), estavam o PDT, PSB, PT, PCdoB, PP, PSD, PR, PTdoB e PPS dos municípios de Manaus, Iranduba, Cacau Pireira, Parintins e Novo Airão. O mote das discussões foram as dificuldades das mulheres em se elegerem e o preconceito que sofrem em casa e no partido político.

Conforme dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) 50,5% dos votos validos do Amazonas são de mulheres. A representação das mulheres nas casas legislativas de esferas federais, estaduais e municipais, no entanto, não passa de 7%. Na ALE-AM, apenas 8% das 24 cadeiras são ocupadas por mulheres. São as deputadas Conceição Sampaio (PP) e Vera Lúcia Castelo Branco (PTB).

Na Câmara Municipal de Manaus (CMM), a representatividade das mulheres é de 15% com seis vereadoras: Socorro Sampaio (PP), Therezinha Ruiz (DEM), Rosi Matos (PT), Glória Carrate (PSD), Jaqueline Coelho (PPS) e Vilma Queiroz (PTC).

No Congresso Nacional, onde a bancada do Amazonas tem 11 cadeiras entre Senado (três) e Câmara dos Deputados (oito), foram eleitas duas mulheres. A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) tentou o cargo de prefeita na última eleição e perdeu com 34,05% dos votos no segundo turno para o prefeito Artur Neto (PSDB). Rebecca Garcia (PP) foi eleita como deputada federal, mas se licenciou do cargo para assumir a Secretaria de Governo do Estado (Segov).  Dos 18% que as mulheres do Amazonas representavam na bancada do Congresso, nesse momento está em 9%, em função da licença da deputada Rebecca.

Motivação

Uma das fundadoras do fórum, a petista Francy Guedes, afirma que motivar a candidatura feminina a cargos eletivos é uma necessidade no País e em particular no Amazonas. “A proposta do fórum é trabalhar a ideia das mulheres votarem nas mulheres candidatas e também botar no coração de cada uma a necessidade de querer ser candidatas. Nós que estamos na luta e compreendemos a temática da mulher precisamos apresentar os nossos nomes para concorrer, engrossar essa luta. Hoje a representatividade é, numericamente, pequena. Queremos mudar essa realidade”, afirmou.

A vereadora Socorro Sampaio (PP) disse que “as mulheres que decidem disputar vaga no parlamento nem sempre encontram apoio do companheiro, da família e do partido. Há a questão financeira que pesa muito no momento da decisão de ser candidata” ressaltou.