Publicidade
Manaus
falha abastecimento

Moradores de bairros da Zona Sul de Manaus reclamam da qualidade da água fornecida às residências

Moradores afirmam que água, quando é fornecida, chega com forte odor e sem condições de consumo às torneiras 18/01/2012 às 08:44
Show 1
Como a casa da contabilista Maria Auxiliadora só recebe água impura, ela solicitou abastecimento por carro-pipa
Maria Derzi Manaus

Moradores dos bairros Nova República, na Zona Sul de Manaus, estão enfrentando problemas com o abastecimento d’água em suas casas há, pelo menos, seis dias. Quando não falta água, o abastecimento é insuficiente. E quando há água, ela chega impura, com forte odor de putrefação, sem condições de consumo.

Um carro-pipa da empresa Só Poços, à disposição da Águas do Amazonas, estava percorrendo a área para abastecer as casas sem água que realizaram reclamações para a empresa. Uma delas foi a residência da radialista Tatiana Dias. “Nós passamos uns três dias sem abastecimento. Quando voltou, a água estava imunda e fedorenta. Eles disseram que foi um problema na caixa d’água do Mauazinho. Então, estamos tendo que comprar água mineral e usando para tudo, desde cozinhar até tomar banho. Na empresa, a orientação é que a gente deixe a torneira aberta para limpar. Mas, a conta? Como vem a conta?”, questionou.

A água que chega à casa de Maria Auxiliadora Gonçalves de Almeida também está com odor forte. “A gente também está tendo que comprar água. A situação já é antiga. Lá para cima falta há muito tempo. Agora está dando para faltar aqui. E quando a água chega, vem fedendo a podre. Quando ligamos para a empresa, eles dizem que a situação vai ser normalizada, que uma bomba estourou e eles estão ajeitando tudo. Mas nunca é concertada. E a água volta a faltar”, disse a contabilista.

A advogada Sônia Cabral, moradora do bairro, está disposta a ingressar na justiça contra a Águas do Amazonas. “Por danos morais e materiais. Está faltando água desde sábado. Eu liguei para lá e me deram a previsão de voltar às 23h da segunda-feira e, hoje, está sem previsão. Para resolver o meu problema liguei para a Só Poços e eles disseram que não poderiam me atender particular porque estavam à disposição da Águas do Amazonas para atender o Eliza e o Acácias.

Outros carros-pipas só querem fornecer a partir de 10 mil litros que dá uns R$ 200. Eu pago quase R$ 250. E eles ainda vão enviar um reajuste, no dia 28 de janeiro. Por isso vou entrar na justiça. Isso não é justo com o consumidor”, avisou a advogada.

 A falta de abastecimento afetou os condomínios Eliza Miranda, Acácia, Lagoa Verde, Nova República, parte do Crespo, parte da Betânia, parte do São Lázaro, Bom Jardim, Mauá I e II, Japiim, Atílio Andreazza e Distrito Industrial.

A empresa informa que está realizando correções na qualidade da água distribuída e até hoje o problema estará sanado.

Manutenção nas bombas de água

Por meio de e-mail a empresa Águas do Amazonas informa que houve, neste fim de semana, diversas ocorrências de falta de energia na área da linha de transmissão de energia para as bombas da Estação de Tratamento do Mauazinho que ocasionaram as situações de desabastecimento, relatadas pelos clientes e usuários destas áreas.

 A falta de energia ocasionou o desligamento e problemas nas bombas de água da unidade. O fornecimento de energia elétrica foi normalizado pela concessionária Eletrobras/Amazonas Energia anteontem, 16, às 10h.

A empresa alega que as equipes operacionais se encontram no local realizando manutenções nas bombas de água. Mas pela complexidade da instalação dos equipamentos que se encontram a 15 metros de profundidade, o serviço estava programado para o término somente às 18h30 de ontem, podendo se prolongar até hoje. A Eletrobras/Amazonas Energia informa que não houve qualquer tipo de interrupção de energia nas referidas áreas.