Publicidade
Manaus
Manaus

Moradores sofrem por conta de isolamento causado por desabamento de ponte

Transtornos e prejuízos estão deixando os moradores do conjunto Augusto Montenegro, bairros Lírio do Vale, Zona Oeste de Manaus, inconformados 12/05/2014 às 11:46
Show 1
Prefeitura abriu uma saída improvisada por dentro do cemitério do Tarumã
Chris Reis ---

Uma ponte com 28 anos de idade, que durante esse período recebeu reforma da prefeitura apenas uma vez e pequena, transformou-se no cenário perfeito para a estrutura desabar. Essa é a avaliação dos moradores do conjunto Augusto Montenegro, bairro Lírio do Vale, Zona Oeste, sobre o desabamento da ponte, que liga o lugar ao restante da cidade e deixou aproximadamente 300 famílias isoladas, na última sexta-feira.

Há cerca de dois meses, a margem do igarapé que passa por baixo da ponte foi alargada e construído um muro de contenção no local. A ponte recebeu passagens laterais para pedestres e recapeamento.

O industriário Paulo Marinho contou que antes, quando chovia, as águas ficavam acima da ponte, em quase um metro. “Depois que construíram a barragem de concreto, a água começou a passar pelas laterais, quando chovia, fazendo pressão na ponte justamente no ponto onde desabou”, comentou.

A mesma avaliação tem o encarregado de obras, Betor Souza, destacando que a ponte era bem antiga. “Meu pai, que também é encarregado de obras, disse que a ponte não aquentaria a segunda chuva e cederia. Foi o que aconteceu. Com o desgaste da estrutura, aliada a esse muro que intensificou a força da água, a ponte não aguentou”, declarou.

Segundo a presidente da Associação de moradores do conjunto, Rita de Cássia Souza, não é de hoje que a área tem problemas e o reforço na estrutura da ponte, que estava sendo assoreada por causa das fortes chuvas, já havia sido solicitado à prefeitura. “Colocaram uma draga no leito do igarapé e foram trabalhando até próximo ao residencial Ponta Negra, onde há outra ponte que possui um cano com diâmetro bem pequeno e que não dava vazão as águas, isso acabou causando problemas no conjunto”, comentou.

A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que, de janeiro desse ano até a primeira semana de maio, nenhum pedido de reforma na ponte vindo dos moradores foi recebido pelo órgão. Porém, a reforma já estava programada no calendário de obras para o verão. Há cerca de 40 dias foi feita a contenção de rip rap para deter a água, num trecho de 20 metros, para que a ponte aguentasse até o verão.