Publicidade
Manaus
TRANSPORTE

Motoristas de aplicativos vão à CMM para pressionar regulamentação do serviço

Uma tribuna popular discutiu na Câmara Municipal de Manaus (CMM) a regulamentação do serviço de transporte de passageiros por aplicativos 28/03/2018 às 12:08 - Atualizado em 28/03/2018 às 12:32
Show ac3dfadd 99c4 42f1 903f 57c4668b3d18
Foto: Náis Campos
Náis Campos Manaus (AM)

Motoristas de transporte de passageiros por aplicativos, como Uber e 99, e foram até a Câmara Municipal de Manaus (CMM) na manhã desta quarta-feira (28) pressionar os vereadores para aprovarem a regulamentação do serviço na capital amazonense. Uma tribuna popular discutiu a proposta.

O presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativos do Amazonas (AMPLIC), Ivan Duarte, afirmou que somente a regulamentação do transporte por apps vai trazer segurança aos profissionais que hoje ultrapassam 10 mil em circulação em Manaus. “Queremos trabalhar sossegado e deixarmos de ser coagidos por taxistas e até mesmo pela SMTU”, explica.

Vereadores como Joana D'arc (PR) e Chico Preto (PMN) criticaram a falta de comprometimento da Prefeitura de Manaus que, segundo eles, tem atrasado o processo de regulamentação há mais de um ano.

“Nós precisamos que o prefeito Arthur se comprometa a fazer a regulamentação e a fiscalização. Queremos saber se ele vai cumprir e aqui eu pergunto da bancada de base do prefeito. Qual é o posicionamento da prefeitura porque no início do ano foi anunciado que nós íamos resolver isso de forma imediata ainda no mês de março e até agora, até onde sei, não há posicionamentos. Eu quero saber qual vai ser o prazo para regulamentação porque quem está na ponta, quem está trabalhando, quem está dirigindo, quem está utilizando o serviço precisa saber desse posicionamento”, questionou Joana D'arc.

Ontem (27), o presidente Michel Temer sancionou a lei que regulamentou o transporte por aplicativos no País. A versão do documento que entrará em vigor foi aprovada pela Câmara dos Deputados no início de março, após passar por diversas alterações no Senado Federal.

Publicidade
Publicidade