Publicidade
Manaus
Manaus

Movimento para discutir problemas da cidade volta às praças de Manaus

Movimento popular do final da década de 70 retorna incentivando a discussão popular dos problemas de Manaus 14/05/2012 às 10:11
Show 1
O “Projeto Jaraqui” se reune todos os sábados no coreto da Praça Heliodoro Balbi (a Praça da Polícia), no Centro
KLEITON RENZO Manaus

Importante tribuna popular criada por professores, intelectuais, políticos e jovens no final da década de 70, o “Projeto Jaraqui” se reinventa e volta às praças de Manaus para oferecer à população um espaço livre para reclamar e discutir os problemas regionais, da cidade e do cotidiano do cidadão.

Com reuniões todos os sábados, a partir das 10h, na praça Heliodoro Balbi, no Centro da cidade, o 'Jaraqui' se reuniu na última semana para debater o tema “Mulher e cidadania” e homenagear, pela passagem do Dia das Mães, duas mulheres com atuação marcante na política amazonense: Beth Azize e Otalina Aleixo. Beth foi a primeira mulher a presidir a Assembleia Legislativa, e deputada federal por dois mandatos. Otalina Aleixo teve forte atuação social entre a população pobre de Manaus. Criou uma creche para atender filhos de prostitutas, além de um pequeno ambulatório, onde atendia meninas doentes.

Paralelo às homenagens, o grupo discutiu os últimos acontecimentos de Manaus: a nomeação do grupo conhecido como “Quinteto Fantástico” a delegados da Polícia Civil, o descaso dos governos estadual e municipal com o problema da cheia e os bairros atingidos e o excesso de benefícios concedidos aos políticos, como auxílio-paletó e 14º e 15º salários.

“É preciso ouvir a grita das ruas, disse um ministro outro dia. E eu e os colegas do Grupo de Políticas Amazônicas da UFAM começamos a pensar no que fazer para ouvir essa grita e trouxemos o ‘Jaraqui’ de volta”, explica o coordenador da nova versão do projeto, o professor de Ciências Políticas da Ufam, Ademir Ramos.

Ramos explica que nos anos de 79 a 81 o projeto Jaraqui brigava contra a construção da Hidrelétrica de Balbina e os impactos que ela causaria, e acabou causando no município de Presidente Figueiredo. “ Nós íamos para as ruas e discutíamos contra o tal ‘milagre brasileiro’ que o governo propunha, a rodovia Transamazônica, e hoje a bandeira principal é contra a corrupção e em favor do cumprimento da ‘Ficha Limpa’ para pressionar os partidos”, disse Ramos.

Integrante do movimento jovem do PSB, a estudante universitária Márcia Rebeca defende o retorno do projeto ‘Jaraqui’, mas reconhece que a juventude “está ausente”.

“Falta percepção da juventude para que de forma organizada nós podemos conseguir resultados. Acredito que o individualismo ainda é um grande problema: é preciso que as pessoas pensem no coletivo. Outro ponto é a participação do jovem na vida política, é preciso que ele faça parte dos debates”, defende Receba.

Aposentado Vivaldo Alves

“Vi muitos movimentos” É necessário retornarem esses debates em tribunas abertas. O interessante da tribuna livre é não depender de rádio, nem televisão e jornal para mostrar onde está a insatisfação do cidadão. Muitas vezes os meios de comunicação não são confiáveis. Nem sempre o interesse do dono é o mesmo do repórter. Hoje temo a Internet como uma grande tribuna. E você percebe que aqui não estão político, eles são fugidios. São camaleões que trabalham de acordo com os próprios interesses: se tem tempestade eles desaparecem, mas se tem bom sol são os primeiros a dizer que fizeram o sol. Nem todo político, mas a grande maioria está sem caráter. Sou de uma era em que político eram homens culto. Estou com 76 anos e vi muitos movimentos e manifestações nesta praça e vejo com alegria o retorno de espaços onde o povo pode falar.