Publicidade
Manaus
Manaus

Muraki afirma não ter relação com empresa acusada de emitir notas fiscais frias

"Durante o tempo de vigência do contrato entre UEA e a fundação [...], a Muraki teve como responsabilidade efetuar os pagamentos pelos serviços prestados pela empresa Jobast Produções" 23/10/2012 às 16:19
Show 1
Se ocorreu alguma relação fraudulenta, com emissão de notas fiscais frias entre, especificamente, as empresas Jobast e a Comunicação Sol, tal fato se deu em completo desconhecimento e da impossibilidade de constatação pela UEA e pela Fundação Muraki
acritica.com Manaus

A Fundação Muraki divulgou nota, na noite de ontem (23/10), afirmando que nunca manteve qualquer relação com a empresa Comunicação Sol Ltda. Ela é investigada pela Polícia Federal (PF) sob suspeita de fornecimento de notas fiscais frias em contratos com a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), cujos valores eram pagos pela Muraki, com verba do governo do Estado.

De acordo com a nota, “durante o tempo de vigência do contrato entre UEA e a fundação, cujo objeto foi o apoio logístico e financeiro para os projetos Aprovar e Proformar, a Muraki teve como responsabilidade efetuar os pagamentos pelos serviços prestados pela empresa Jobast Produções Cinematográficas Ltda., em notas previamente atestadas pela UEA, sempre em conformidade com as condições contratuais”.

O contrato com a Jobast, por sua vez, ocorreu dentro da legalidade, por meio de licitação, informa a nota. “Se ocorreu alguma relação fraudulenta, com emissão de notas fiscais frias entre, especificamente, as empresas Jobast e a Comunicação Sol, tal fato se deu em completo desconhecimento e da impossibilidade de constatação pela UEA e pela Fundação Muraki”, garante. 

Os registros contábeis da Muraki foram entregues à Polícia Federal, que têm como lastro toda a movimentação bancária da Fundação, “sendo que não foram detectados quaisquer indicativos da existência de notas fiscais emitidas pela Comunicação Sol à Fundação Muraki”.

Sobre os repasses feitos à fundação, a mesma esclarece que “os recursos repassados à Fundação visam atender as demandas de cada projeto. Portanto, este dinheiro não é da Muraki, mas dos projetos para os quais ela tenha sido contratada”.