Publicidade
Manaus
Manaus

Número de celulares no Amazonas ultrapassa a casa dos quatro milhões

Linhas ativas de telefones móveis ultrapassam o número da população no Estado, que registra 3.590.985 habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 04/09/2012 às 17:15
Show 1
Número de celulares no Amazonas ultrapassa a casa dos quatro milhões
Bruna Souza Manaus

Segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), já foram registrados no Amazonas, até o mês de julho deste ano, 4 milhões, dezenove mil e 56 linhas de telefones celulares.

As ativações são maiores que o número da população no Estado, que registra 3 milhões, quinhentos e noventa mil e 985 habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O crescimento acima do populacional pode ser explicado pela busca dos usuários por mais opções de chips de outras operadoras. O consumidor visa garantir a economia nas promoções oferecidas pelas empresas de telefonia móvel.

A operadora Vivo registrou no mês de janeiro deste ano 2 milhões, trezentos e setenta e quatro mil e 228 linhas de celulares. No mês de julho, esse número aumentou  para 2 milhões, quinhentos e trinta e seis mil e 557. Foram 162.329 novos chips habilitados no estado pela operadora, totalizando cerca de 27.054  mensalmente no primeiro semestre.

A segunda maior operadora do estado, a TIM, em janeiro, alcançou o número de 1 milhão, doze mil e 432 chips habilitados. Em julho, foram registrados 922. 976 linhas. A diminuição foi de 89 mil, quatrocentas e cinquenta e seis chips que foram cancelados do percentual total da operação no Amazonas.

A Oi operava em janeiro com 300.663 mil linhas e já no mês de julho este número cresceu para 322 mil e duzentos e sessenta e dois chips no mercado amazonense, um aumento de 21 mil, quinhentos e noventa e nove, divididos em aproximadamente 3.600 mil chips habilitados mensalmente.

Para o bancário Nindberg Barbosa, 50, o uso de mais de uma linha de celular é motivado pela necessidade de se ter mais economia e também pelo serviço em lugares de difícil acesso.

"Com a minha profissão, viajo rotineiramente pelos municípios do estado e necessito ter diferentes linhas para não ficar sem me comunicar, além da economia promovida pelas promoções de cada operadora", comentou.

Outro ponto apontado para o aumento da habilitação dos chips pelas operadoras é a venda de celulares que comportam dois a três chips e um único aparelho.

Na região Norte, em linhas habilitadas, o Amazonas perde apenas para o Pará, que tem oito milhões, quatrocentos e noventa e uma mil e 24 linhas ativadas.