Publicidade
Manaus
MEIO AMBIENTE

Óleo vazado no lago do Tarumã evaporou, diz Ipaam; órgão denuncia donos de marinas

Evaporação ocorreu por se tratar de substância volátil. Para Ipaam, existe “corporativismo” e crimes ambientais são escondidos por empresários 16/01/2018 às 14:39 - Atualizado em 16/01/2018 às 14:53
Show oleo
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

O óleo diesel derramado nas águas do lago do Tarumã-Açu, na região da Marina do Tauá, na orla Oeste de Manaus, após um vazamento ocorrido na última sexta (12), evaporou, segundo informou hoje (16) o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam). Donos de marinas localizadas na região são apontados como responsáveis. Segundo o órgão, a evaporação aconteceu por se tratar de uma substância volátil.

Nessa segunda (15), segundo o Ipaam, o chefe da Gerência de Fiscalização Ambiental (Gefa), Abner Brandão, percorreu parte da extensão do lago, desde a Marina do David até a Praia Dourada, e constatou a evaporação da mancha de óleo de aproximadamente 20 metros quadrados. De acordo com Brandão, o combustível se dissipou com o tempo por ser de categoria leve e bastante utilizado nas embarcações.

A origem do produto ainda não foi identificada, porque, segundo Abner Brandão, no local existe um “corporativismo” comercial com donos de marinas, pontões e flutuantes, e que crimes ambientais são escondidos por eles. “Apesar disso, a apuração continua e pedimos ajuda das pessoas que moram ou trabalham naquela área para que informe imediatamente ao Ipaam por meio do Disque Denúncia 2123-6715 situações semelhantes a que ocorreram semana passada”, disse.

Crimes ambientais como esse podem gerar multa de até R$ 100 mil. Conforme o Ipaam, o órgão afirma que denúncias possibilitam que equipes tomem providências imediatas e evitem danos maiores naquela bacia, considerada morta há oito anos.

Fiscalizações

Segundo o presidente do Ipaam e secretário de Estado do Meio Ambiente (Sema), Marcelo Dutra, foram intensificadas as fiscalizações e os monitoramentos das marinas, portos e flutuantes instalados às margens da bacia do lago Tarumã-Açu com mais agentes ambientais e o apoio de lanchas. Também foram iniciadas ações de preservação do meio ambiente junto aos trabalhadores naquela área com apoio do Batalhão Ambiental da Polícia Militar.

A região do Tarumã-Açu, segundo Dutra, é uma das áreas de Manaus que mais vem sofrendo impactos ambientais nos últimos anos, principalmente com a instalação de novos empreendimentos imobiliários, construção de marinas particulares e a utilização comercial do canal no transporte de passageiros para balneários particulares, sítios e comunidades rurais.

Controle

Segundo o Ipaam, o Governo do Amazonas firmou um contrato com aporte financeiro de R$ 300 mil com a Agência Nacional das Águas (ANA) para ações de controle do meio ambiente na Bacia Hidrográfica do Tarumã-Açu. “Essa parceria prevê um aporte financeiro para o Estado no valor de R$ 300 mil em cinco anos para desenvolver um trabalho de conscientização em parceria com o Comitê da Bacia Hidrográfica do Tarumã-Açu, contando com o apoio do Conselho Estadual de Recursos Hídricos”, disse o órgão.