Publicidade
Manaus
Manaus

Omar Aziz e Eduardo Braga silenciam sobre desistência de Rebecca na corrida pela prefeitura de Manaus

Governador manda avisar que não tem nada para dizer sobre o assunto e senador afirma que não comenta sobre o caso 03/07/2012 às 09:06
Show 1
O governador Omar Aziz (à direita) e o senador Eduardo Braga estão juntos e separados nos acordos pró-chapa
LÚCIO PINHEIRO Manaus

Dois dias depois de a deputada federal Rebecca Garcia (PP) ter sido demovida da candidatura à Prefeitura de Manaus, a recusa do senador Eduardo Braga (PMDB) em comentar o assunto, e o silêncio do governador Omar Aziz (PSD) mostram o quanto foram indigestos os bastidores que culminaram na candidatura “tampão” da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB).

Procurados por A CRÍTICA, nessa segunda-feira (2), apenas Braga atendeu, por telefone, a reportagem. Mas questionado sobre desistência de Rebecca, o senador foi enfático. “Não comento sobre isso”. Já o governador, segundo a chefe da Agência de Comunicação do Governo Estadual, jornalista Lúcia Carla Gama, informou que Omar não tinha nada para falar agora com a imprensa.

Dez dias depois de afirmar que disputaria a Prefeitura de Manaus com ou sem o apoio dos caciques de seu grupo político, Rebecca não resistiu às pressões internas e desistiu da candidatura, na madrugada de sábado. Em entrevista coletiva concedida no final da manhã do mesmo dia, a deputada declarou que desistiu de ser candidata porque não estava disposta a enfrentar o movimento que havia dentro do seu próprio grupo para minar sua candidatura com calúnias.

“Da maneira como estão montando o jogo, desse jogo eu não estou disposta a participar”, disse a deputada Rebecca à imprensa.

Com a desistência de Rebecca, Omar e Braga escalaram Vanessa para assumir a candidatura do grupo político. O candidato a vice-prefeito, ex-secretário municipal de Trabalho e Desenvolvimento Social de Amazonino, Vital Melo, foi catapultado do PT. Ele só foi apresentado à senadora instantes antes dos dois anunciarem a chapa deles em coletiva de imprensa. “Você foi secretário de que mesmo?”, indagou Vanessa.

Omar e Braga não participaram nem do anúncio oficial da candidatura de Vanessa e Vital. E a confirmação da candidatura da base aliada dos dois aconteceu em uma sala acanhada da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM). Na mesma hora, militantes dos partidos aliados do grupo deixavam a casa de show Charriot, na Zona Norte, que havia sido preparada para a festa que conclamaria Rebecca candidata a prefeita.

Na madrugada de sábado, Rebecca fez um comunicado no qual justificou o recuo em “profundas razões pessoas e sócio-políticas”. Disse que lutou para vencer “obstáculos que se interpusessem” entre o povo e a candidatura dela. Mas, por uma questão de princípios, desistia.

‘Ataque amigo’ derrubou deputada

Rebecca Garcia disse que vinha se preparando tecnicamente para disputar a prefeitura, mas não contava com o ‘fogo amigo’ dentro do grupo dela. “Estava preparada para qualquer tipo de ataque que viesse de um adversário. Difícil é você perceber que existe movimento dentro do seu grupo para lhe prejudicar”.

Senador vê ação conjunta

 Eleita, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) terá a oportunidade de realizar em Manaus uma administração conjunta dos governos federal e estadual. A avaliação é do senador Eduardo Braga (PMDB). “A senadora é capaz de construir uma administração que envolva o Governo Federal, Estadual e Municipal. Uma ação conjunta ampliada”, disse Braga.

Segundo o senador, o potencial de Vanessa sempre foi observado pelo grupo. “É experiente. Já foi candidata e conhece nossas dificuldades. Sempre a avaliamos com muito potencial. E em função da desistência da deputada Rebecca, ela foi candidata”, afirmou Braga.

O senador disse que a candidatura de Vanessa representou mais unidade ao grupo do que o nome do deputado estadual Marcos Rotta (PMDB), por isso o parlamentar não foi o substituto de Rebecca. “E o próprio deputado não se colocava mais como candidato. Pois entendia que as conversas em torno do nome dele já haviam se exaurido”, justificou Braga.

PT estava fora da aliança 

O senador Eduardo Braga (PMDB) confirmou, nessa segunda, que ele e o governador Omar Aziz (PSD) só abriram diálogo com o PT depois da desistência de Rebecca Garcia (PP). “Na realidade, o PT vinha conversando conosco. Acontece que a legenda reivindicava compor a chapa majoritária. E na chapa de Rebbeca não tinha espaço. Mas a partir do novo momento, entendemos que havia espaço”, declarou Braga.

O candidato a vice na chapa de Vanessa Grazziotin (PCdoB), Vital Melo (PT), até o início de abril, foi secretário de Amazonino Mendes (PDT), na pasta de Trabalho e Desenvolvimento Social. E nos anos de 2007 e 2008, foi subsecretário estadual de Trabalho, no governo de Eduardo Braga.

No Amazonas, o PCdoB acumula cargos no primeiro escalão do Governo do Estado. Em 2010, com a ajuda de Braga e Omar, Vanessa foi eleita senadora. Atualmente, os comunistas apontam interesses nacionais como justificativa para habitar o “ninho” que no passado combateram.