Publicidade
Manaus
NATAL

Pacientes que moram em hospital de Manaus celebram Natal dentro de unidade de saúde

Apesar das dificuldades impostas pela doença, familiares e equipe de funcionários se esforçam em prol da felicidade dos pacientes 25/12/2017 às 10:00
Show 1
Foto: Márcio Silva
Álik Menezes Manaus (AM)

Como toda família que se reúne durante as comemorações do Natal, pacientes que moram há vários anos no Hospital e Pronto-Socorro (HPS) da Criança da Zona Oeste, localizado no bairro Compensa, em Manaus, também celebram a data na companhia da família e funcionários da unidade. A diretora do hospital, Julia Fernanda Marques, adiantou que, hoje e amanhã, o cardápio servido aos funcionários, pacientes que podem se alimentar e acompanhantes será diferenciado.

No entanto, o clima festivo que destaca o amor entre as pessoas não é vivido apenas em datas especificas. Natanael Brandão de Moraes, de 25 anos, mora no hospital há 14 anos após ser diagnosticado com distrofia muscular de Duchenne, mas disse que sente como se estive em casa, recebe cuidados e até presentes dos funcionários do hospital.


Foto: Márcio Silva

“Já conheci shoppings, já fui ao cinema. A minha médica está preparando para me levar ao cinema. No Natal, eles fazem uma comida diferente, minha irmã vem aqui para ficar comigo à noite, a gente vai até para o estacionamento ver a queima dos fogos de artifício”, contou o jovem. Natanael Brandão recebe ajuda de pelo menos sete pessoas para poder se locomover.

“As médicas, as enfermeiras, as técnicas, todas as funcionárias fazem o que podem para me tratar bem. Elas se preocupam de verdade com a gente, não apenas no Natal, mas todo o ano”,  disse o jovem paciente, que terá alta médica em abril. “Eu vou, mas também vou sentir muita saudades delas”, completou.

O Natal de Letícia Kerollen Souza, de 12 anos, também não passa em branco. A adolescente tem síndrome de Werdning Hoffmann, uma doença degenerativa que não tem cura, e mora no hospital há 11 anos. Um quarto, inclusive, foi adaptado no hospital para que Letícia se sinta mais confortável e em casa. “Aqui somos uma grande família, sempre fazemos uma confraternização aqui, temos uma ceia, vêm amigos, família e as meninas (médicas e enfermeiras) que cuidam dela aqui”, disse a mãe dela, Irlene Roberta de Souza, 29.


Foto: Divulgação

O clima de Natal deixa Letícia empolgada. Ela contou que se sente feliz com o tratamento que recebe diariamente dos funcionários do hospital, principalmente durante as festas de fim de ano. A adolescente, inclusive, fez questão de pedir para a mãe dela arrumá-la quando soube que a equipe de reportagem de A CRÍTICA iria na unidade hospitalar. “Eu fico muito feliz porque elas me tratam tão bem... eu gosto de aparecer nos jornais da cidade”, comentou.

Convívio fortalece os laços

Além de Letícia e Natanael, outros cinco pacientes moram no Hospital da Criança, mas estão na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Em virtude disso, eles não podem receber tantas visitas, mas os familiares também passam mais tempo no hospital nos dias 24 e 25 de dezembro.

A diretora do hospita,l Julia Fernanda Marques, disse que os funcionários e os pacientes têm uma relação forte e isso os faz uma grande família. “Eu estou há apenas três meses aqui, mas os funcionários já faziam um cardápio diferenciado no almoço e no jantar. Então, vamos manter essa programação e buscar proporcionar um momento mais feliz e divertido para nossos funcionários, as crianças e os acompanhantes”, disse a gestora.


Foto: Márcio Silva

Esforços em prol da felicidade

Os médicos sempre que podem dão “presentes” aos pacientes. O que para a maioria das pessoas pode ser simples, para os pacientes que vivem ali os presentes são fascinantes.  “Nós nos preparamos e levamos eles em locais que são comuns para algumas pessoas. Já levamos o Natanael no cinema, no shopping e até atravessamos a Ponte Rio Negro que fica aqui pertinho, eles ficam muito felizes e nós também”, disse a pediatra Janaína Fadul.

A médica explicou que esses passeios ocorrem em datas como aniversários e no fim do ano, mas dependem de uma série de esforços. “No mínimo sete profissionais (entre médicos, enfermeiros, técnicos e motoristas) precisam ir para esse passeio acontecer, não é fácil, mas eles ficam felizes, é o que importa”, disse.

Em números

São sete 7 o número de pacientes do Hospital e Pronto-Socorro (HPS) da Criança da Zona Oeste, na Compensa, que vão passar as festas de fim de ano dentro da unidade de saúde, acompanhados de familiares, além  de profissionais dedicados.

Publicidade
Publicidade