Publicidade
Manaus
PRESÍDIO

Pacotes com 17 celulares são arremessados para dentro de presídio em Manaus

Seap, PM e Umanizzare fizeram ação conjunta e conseguiram apreender materiais que incluíam baterias, carregadores, chips e fones de ouvido 17/11/2017 às 16:22
Show c9c8f4b4 305e 499e 8e75 31a98e41d2d9
Foto: Divulgação
acritica.com

Três pacotes com 17 celulares foram arremessados para dentro do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), no Km 8 da BR-174, na manhã desta sexta-feira (17). Um homem, ainda não identificado, foi preso como suspeito de lançar os pacotes para a área interna de gramado dos pavilhões. Além dos celulares, os pacotes continham baterias, carregadores, chips e fones de ouvido.

A apreensão dos materiais aconteceu por volta das 9h de hoje após um policial que estava na guarita B da muralha do Ipat avistar o suspeito arremessando os materiais. O policial efetuou três disparos de alerta para tentar impedir a ação. As informações são da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

Os pacotes foram recolhidos em três áreas distintas: o primeiro na guarita do Ipat, o segundo ficou preso na concertina de contenção da muralha, em frente ao pavilhão A da unidade, e o último pacote caiu na área interna do pavilhão A, próximo ao espaço da ronda do agente de socialização da Umanizzare.

Ao abrirem os pacotes, os agentes encontraram 17 aparelhos celulares, 15 chips, quatro carregadores, três baterias e três fones de ouvido. Para o secretário de Estado de Administração Penitenciária, coronel da Polícia Militar, Cleitman Coelho, a ação conjunta entre PMAM, Umanizzare e Seap, mostra resultados no controle das ações que possam burlar a segurança do sistema prisional.

“O policial militar da muralha estava atento às movimentações de dentro e fora da unidade. Com a ação de alerta do policial e a pronta comunicação sobre a ocorrência foi possível recolher todos os pacotes e apreender o material ilícito que estaria sendo fornecido para os internos”.

Suspeita

Sobre a suspeita do autor do arremesso, o secretário da Seap levanta a possibilidade da ação ter sido organizada por detentos do regime semiaberto do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), localizada também no Km 8 da BR-174.

“A entrada de pessoas no ramal que dá acesso as unidades é controlado pela Força Nacional, que autoriza apenas funcionários, familiares nos dias de entrega de material e visita, e detentos do semiaberto. Como nas sextas as unidades prisionais não recebem familiares para entrega de materiais, trabalhamos com a suspeita do envolvimento de presos do semiaberto”, disse Cleitman Coelho.

*Com informações da assessoria de imprensa