Publicidade
Manaus
CRIME ORGANIZADO

Para secretário, assassinatos no Mutirão representam a ‘falência da criminalidade’

Sérgio Fontes diz que antigos líderes da FDN estão sem comando, o que tem resultado em homicídios dentro da própria facção 17/07/2017 às 11:42 - Atualizado em 17/07/2017 às 14:21
Show clj wa 8
Entre a noite de de domingo e a madrugada de segunda, foram quatro assassinatos (Foto: Winnetou Almeida)
Silane Souza Manaus (AM)

O secretário de Segurança Pública, Sérgio Fontes, afirmou que as mortes ocorridas entre a madrugada e a noite de ontem no entorno da Feira do Mutirão, no bairro Novo Aleixo, Zona Norte de Manaus, representam uma "falência total da criminalidade".

De acordo com o secretário, foram dois assassinatos à noite e mais dois de madrugada, todos em decorrência rachas dentro do crime organizado. Para Fontes, as execuções mostram que os ditos 'líderes' dos grupos criminosos estão sem comando. "É só olhar os sinais que os criminosos estão dando. João Branco versus Gelson Carnaúba, e o Zé Roberto sem liderança nenhuma na sua própria facção".

Os três nomes citados pelo secretário já chegaram a fazer parte da alta cúpula da Família do Norte, facção que surgiu no Amazonas e se expandiu pelo País, e estão presos em unidades federais. A FDN, como é conhecida, foi responsável pelos massacres no sistema prisional do Amazonas em janeiro deste ano. " Nós esperávamos que isso fosse acontecer com os fatos desencadeados em janeiro e estamos empenhados para que a gente possa neutralizar essas ações criminosas  da melhor maneira possível".

Sérgio  Fontes, que estima um prejuízo de R$ 500 milhões das facções com as apreensões realizadas este ano, afirmou que os responsáveis  pelas mortes no Mutirão serão presos em breve. "A gente está acompanhando e em breve vamos realizar prisões e buscas por conta dessas atividades criminosas".