Publicidade
Manaus
Manaus

Parlamentares parabenizam jornal A Crítica pelos seus 63 anos

Os deputados Chico Preto, Marcos Rotta e Sidney Leite prestaram homenagem ao jornal da tribuna da Aleam, na manhã desta quinta-feira 19/04/2012 às 17:27
Show 1
O jornal A Crítica completa 63 anos e recebe homenagens na Aleam
acritica.com Manaus

Os deputados estaduais do Amazonas aproveitaram o tempo na tribuna da Assembleia Legislativa (Aleam) para parabenizar o jornal A Crítica pelos seus 63 anos, comemorados no dia de hoje (19/04).

O deputado Estadual Marco Antonio Chico Preto (PSD) lembrou que a data marca os anos de dedicação e compromisso do veículo com a informação. “O jornal A Critica continuará dando contribuição inestimável à consolidação da liberdade de expressão da democracia brasileira e aos valores que sustentam esta Pátria”, declarou.

Já o deputado estadual Sidney Leite (DEM) iniciou seu pronunciamento frisando que o veículo contribui para o desenvolvimento do Amazonas e é um excelente instrumento de comunicação, garantindo o Estado Democrático de Direito, afirmando ainda, que acredita em uma imprensa livre e que a função do jornalista é fundamental, não só para dar essa garantia, mas também na representação da voz e anseio da população.

Marcos Rotta (PMDB) sobre o papel do periódico que, a partir de sua sensibilidade, dá voz aos clamores dos mais diversos segmentos da sociedade amazonense, numa rodada de debates sobre alguns dos principais problemas que afligem a população, a exemplo do que ocorreu ontem, durante o projeto A Crítica de Manaus.

Na opinião do parlamentar, o jornal poderia fazer apenas um retrospecto ou um histórico desses 63 anos de idade. Mas preferiu cumprir fielmente o que significa estar de “Mãos dadas com o povo” e traz em sua edição de aniversário um debate muito oportuno de pessoas das mais diversas correntes da sociedade amazonense, colocando os seus pontos de vista a respeito dos problemas, dos desafios que a cidade de Manaus e o Estado do Amazonas possuem.

O parlamentar cumprimentou o jornal A Crítica pela grande contribuição que dá ao sistema de transportes coletivo, ao precário sistema de abastecimento de águas, às ruas esburacadas, à questão da Segurança Pública, habitação, desordem do Centro Histórico de Manaus, entre outros.

“São pessoas simples e humildes que estão inseridas nas mais diversas posições da sociedade amazonense que através da sua sensibilidade e da sua ótica apontam caminhos”, mencionou.

Melhor do que apontar caminhos de forma isolada, Rotta disse que A Crítica preferiu ouvir, através de um debate, pessoas ligadas ao Judiciário, ao meio ambiente, a área empresarial, a arquitetura, enfim, vários pontos de vista apresentados num verdadeiro, claro, preciso e importante raio-x a respeito das deficiências e dos desafios que a cidade de Manaus terá que cumprir nos próximos anos.

“Porque a Prefeitura de Manaus não pode seguir essa linha de pensamento, esta linha de raciocínio importante de exemplo que dá hoje o A Crítica? Não vejo problema algum. Isso não vai diminuir quem quer que seja ouvir pessoas, os representante e os mais diferentes segmentos da sociedade amazonense”, mencionou.

Em nome do PMDB e do presidente regional do partido, senador Eduardo Braga, Marcos Rotta cumprimenta não apenas os 63 anos históricos do jornal A Critica, mas de uma lição empresarial de conduta, iniciado pelas mãos do jornalista Humberto Calderaro Filho.

“Tive o prazer de trabalhar na Rede Calderaro de Comunicação e sei da liberdade com que todos os profissionais podem exercer a sua profissão. Como agentes políticos temos por dever e obrigação ter a sensibilidade de saber ouvir os clamores da sociedade, ouvir os mais diversos segmentos da sociedade, porque não tenho dúvida nenhuma que é ouvindo e tendo a humildade de reconhecer erros que nós vamos dar à cidade de Manaus a melhoria do sistema de transportes coletivos, acabar com o problema crônico e vergonhosos da falta de água , asfaltar as ruas da cidade, melhorar a qualidade da educação, socorrer a saúde da cidade, melhorar inclusive a autoestima do povo manauara”, concluiu.