Publicidade
Manaus
reunião PT

Partido dos Trabalhadores em Manaus vai realizar prévia para decidir rumo do partido nas eleições de 2012

Grupo pró-Amazonino foi derrotado por ala que defende que o PT possua candidatura própria à Prefeitura de Manaus 23/01/2012 às 09:07
Show 1
Delegados decidirão se o PT terá candidato próprio ou se apoiará outra candidatura. Partido integra gestão de Amazonino Mendes
Moara Cabral Manaus

Ao menos uma coisa já foi decidida no diretório municipal Partido dos Trabalhadores em Manaus: a realização da eleição prévia para eleger o candidato majoritário para disputar as eleições de outubro este ano. A decisão foi resultado do encontro entre as 45 diretorias do partido, realizada no último sábado (21), no Sindicato dos Metalúrgicos. A prévia deve acontecer, após o dia 11 de fevereiro, em que os 500 delegados aptos a votar irão decidir se o PT apresenta candidato próprio ou se irá apoiar candidatura de fora da sigla.

O vereador Waldemir José, ligado ao grupo em favor de candidatura própria do partido, disse que foi difícil vencer o grupo liderado pelo presidente municipal do PT, Valdemir Santana, que defende apoio ao prefeito Amazonino Mendes, devido o controle de duas secretarias municipais de Trabalho e Habitação. “Nossa vitória é da militância petista. Não foi fácil vencer as máquinas comandadas pelo grupo de Amazonino”, informou José.

 Dentro do partido existem mais de dez tendências partidárias, ou correntes. Segundo Waldemir José, em Manaus entre as mais fortes estão: Construindo um Novo Brasil (CNB) comandado por Santana; Mensagem ao Amazonas, ligada ao deputado estadual José Ricardo; Núcleo Petrópolis sob o comando do vereador Waldemir Santana; Coletivo Movimento, ligada ao deputado estadual Sinésio Campos e PT de Lutas e Massas, liderada por Zeca do PT.

 De acordo com o vereador Waldemir José, a indecisão pela escolha de candidato próprio ou não, está diretamente ligada aos interesses dessas correntes que influenciam o partido. As correntes mais fortes tentam conquistar as mais fracas para unir-se a ela e juntas conquistarem um número maior de filiados, os quais na hora do voto farão a diferença. “O problema que hoje existem interesses que influenciam o partido nas decisões”, disse.

O PT desde a época "Lula" tem crescido politicamente no Amazonas. Em Manaus o elegeu dois vereadores: Waldemir José e Ademar Bandeira; dois deputados estaduais: José Ricardo e Sinésio Campos e um deputado federal: Francisco Praciano.

Além de estar à frente de duas secretarias municipal: habitação e trabalho, sob o comando de Valtair Cruz e Vital Melo, respectivamente. E no governo estadual a secretaria de Trabalho (SETRAB) e o Instituto de Terras do Amazonas (ITEAM), a primeira sob o comando de Iranildes Caldas e o segundo Wagner Santana.

O partido ainda comanda pelo menos três sindicatos na Capital: Sindicato dos Metalúrgicos, Sindicato dos jornalistas (SJPAM) e dos Trabalhadores da Construção Civil (Sintracomec).

 Em âmbito nacional, o PT possui quinze secretarias: Agrária, Assuntos Institucionais, Combate ao Racismo, Cultura, Finanças, Formação Política, Geral, Juventude, Meio Ambiente e Desenvolvimento, Mobilização, Movimentos Populares, Mulheres, Organização, Relações Internacionais e Sindical.

PPL-AM estará na disputa

Falando em organização para as eleições que ocorrerão em outubro deste ano. Quem também se planeja para a disputa é o Partido Pátria Livre (PPL), sob a presidência estadual de Lenivaldo Ribeiro. A direção municipal é de José Campelo. O partido não mexerá em sua executiva. O que não quer dizer que o mesmo está parado.

De acordo com o presidente municipal, José Campelo, apesar de estarem presentes em apenas 25 municípios do Estado, o partido lançará pelo menos dez candidatos a vereador em cada cidade. “Hoje temos oito parlamentares, representando a sigla e queremos aumentar esse número este ano”, disse

 Em Manaus, o PPL não lançará candidato a prefeito, mas o fará em alguns municípios do interior. Embora com reserva a nomes, ele disse que em Nhamundá (a 381 quilômetros de Manaus), a legenda lançará a prefeito o vereador Josino Gomes, atual presidente da câmara. Segundo Campelo, Gomes aparece em primeiro lugar nas pesquisas. “Fizemos uma pesquisa na cidade e ele aparece em primeiro lugar, então disputará a prefeitura”, disse.

 Quanto à sigla se juntar á outras legendas, Campelo disse que ainda é muito cedo para afirmar qualquer coisa. Somente depois de uma reunião com os filiados, depois da convenção do partido, que será feita até 30 de junho, é que poderá divulgar alguma coisa sobre o assunto. “Precisamos discutir com os filiados, mas só o faremos depois da convenção”, afirmou.