Publicidade
Manaus
Manaus

Paulista é preso em Manaus pelo crime de estelionato

O acusado foi flagranteado por uso de documentos falsos e preso em cumprimento a mandado de prisão, e será encaminhado à Cadeia Pública 28/02/2012 às 17:32
Show 1
"Paulista" foi apresentado na sede da Derfd em Manaus
acritica.com Manaus (AM)

O paulista Judson dos Santos Cotrin, de 34 anos, foi preso por policiais da Delegacia Especializada em Roubos Furtos e Defraudações (Derfd) na tarde de segunda-feira (27) em cumprimento a mandado de prisão pelo crime de estelionato. A prisão ocorreu na Rua das Andradas, no Centro de Manaus.

O acusado foi flagranteado por uso de documentos falsos e preso em cumprimento a mandado de prisão, será encaminhado à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoal, no centro da cidade.

Com ele, foram apreendidas duas carteiras de identidade falsas, cartões de crédito, CPF com nomes falsos e um veículo modelo Prisma, branco, placa NOI-0678, a placa foi pintada de vermelho, para circular como taxi. O esquema utilizado pelo estelionatário era o uso de documentos com nomes falsos, para financiamento, compra e venda de veículos.

De acordo com o delegado da Derfd, Orlando Amaral, o acusado compareceu à especializada, em 2009, para registrar ocorrência de roubo e sequestro, usando o nome falso de Judson Fernandes Zabala, sendo instaurado inquérito apuratório.

Em 2010, o titular da especializada soube através da Delegacia Especializada em Roubos e Furtos de Veículo (Derfv), que Judson tinha sido preso pela especializada, pelo crime de estelionato, por envolvimento com compra e venda fraudulenta de veículos.

As investigações dão conta de que ele possui dois processos na justiça, um no estado de São Paulo, pelos crimes de furto e estelionato, e um em Boa Vista (RO), por estelionato.

Partindo do levantamento de informações do acusado, e por suas passagens pela polícia pelo uso de documentos falsos, compra de veículos usando documentos falsificados, o titular da Derfd, representou pela prisão preventiva do suspeito, em dezembro do ano passado, sendo acatado e expedido pela Juíza de Direito, Margareth Hoagen, da 4ª Vara Criminal.