Publicidade
Manaus
Manaus

Polícia Civil afirma que crimes em Manaus são comandados de dentro dos presídios

Operação 'Refrigerar', da Polícia Civil do Amazonas, cumpre 16 mandados de prisão e 22 mandados de busca e apreensão, após quatro meses de investigação 01/11/2012 às 16:42
Show 1
Aproximadamente 150 policiais civis participam da ação e mais 40 viaturas, em cumprimento a 16 mandados de prisão e 22 mandados de busca e apreensão
acritica.com Manaus (AM)

As investigações feitas pela Polícia Civil do Amazonas durante a "Operação Refrigerar", deflagrada na manhã desta quinta-feira (1) em Manaus, mostram que boa parte dos crimes de pistolagem, tráfico de drogas e assaltos à mão na cidade são comandados de dentro de presídios do Estado. A informação é do delegado Sandro Sarkis, que chefia a operação.

A quadrilha presa nesta quinta pela Polícia Civil do Amazonas era especializada em assaltos a residências a partir de informações privilegiadas repassadas por funcionários de empresas de refrigeração. A atuação da quadrilha estava centrada nos bairros da Zona Sul de Manaus, entre eles, Parque 10 de Novembro, União, Parque das Laranjeiras e conjunto Xangrilá.

Aproximadamente 150 policiais civis participam da ação, com o auxílio de 40 viaturas, em cumprimento a 16 mandados de prisão e 22 mandados de busca e apreensão. As prisões da "Operação Refrigerar" foram feitas nas Zonas Sul, Centro-Oeste e Norte de Manaus. Até às 10h30, 11 pessoas haviam sido presas. As investigações duraram quatro meses.

A polícia decidiu denominar a ação de "Refrigerar" após registrar assaltos no bairro Parque das Laranjeiras e conjunto Shangrilá, durante o mês de junho, e constatar que uma quadrilha especializada usava informações de empregados de empresas de refrigeração. Entre os membros do bando havia funcionários de empresa que faz manutenção em ar-condicionado.

A atuação da quadrilha se dava da seguinte forma: um dos bandidos visitava residências, a pretexto de estar a serviço da empresa de refrigeração, e escolhia as vítimas, após observar o local. Em seguida, repassava informações para a quadrilha, que posteriormente realizava o assalto.

Prisões
Onze pessoas já foram presas, entra eles, Janderson Patrick de Oliveira, Otacílio Oliveira Teixeira, Keferson de Oliveira Teixeira, 25, Leandro dos Santos Souza, 33, o 'Pepino', Elileide Carneiro da Costa, conhecida como 'Leide', Gabriel Lima Maciel, 18, Frank das Chagas Macedo, mais conhecido como 'Frankizinho', 40, Kellen Cordeiro da Silva, a 'Kellinha', 30, Leomar Cordeiro de Melo, o 'Neném', Bráulio Júnior Correa Reis e André Uchoa Cardoso, 27.

De acordo com o diretor do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), delegado Sandro Sarkis, mulheres estão tendo uma participação ativa na criminalidade, inclusive como chefia dessas movimentações. Segundo ele, a polícia continuará a investigar e prender os envolvidos.


Apreensão
Com os presos foram apreendidos 800 papelotes de maconha pronta para o consumo, aproximadamente 10 quilos de maconha prensada em tabletes, cinco porções de pasta base de cocaína, uma porção média de haxixe, 15 pacotes de rejunte (argamassa de cimento), bicarbonato de sódio, solução de bateria, duas balanças de precisão, materiais para o embalo do entorpecente e dois cadernos com anotações da movimentação financeira do tráfico.

A operação contou com o apoio do DRCO, da Delegacia Especializada em Prevenção e Repressão a Entorpecente (DEPRE), Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Grupo FERA, Polinter e as seccionais Sul, Oeste, Centro-Oeste e Norte. Após a finalização dos procedimentos os presos serão encaminhados a Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa.