Publicidade
Manaus
Manaus

Polícia faz apreensão de material dentro de cadeia feminina em Manaus

Esta foi a maior apreensão de material entre celulares e drogas encontrado dentro da cadeia.  Última revista foi realizada há dois meses. A revista faz parte do cronograma da Sejus, mas foi antecipada após os últimos acontecimentos dentro da Penitenciária Feminina 14/12/2012 às 13:47
Show 1
Revista realizada pela polícia encontrou muito material dentro da Cadeia Feminina
Bruna Souza Manaus, Am

A Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejus) com apoio da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) realizou na manhã desta sexta-feira (14) uma revista na ala feminina da cadeia pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa. A ação aconteceu depois que uma detenta ateou fogo no presídio na última quarta-feira (12).

De acordo com o secretário executivo adjunto da Secretaria de Estado de Justiça do Amazonas (Sejus-AM), coronel Bernardo da Encarnação, aproximadamente 347 mulheres estão presas na ala. Foram encontrados 41 celulares, 49 trouxinhas de maconha, além de carregadores e barras de ferro.

Questionado pelos jornalistas sobre que dificuldades existem para coibir a entrada destes equipamentos dentro da unidade prisional, o cel. Bernardo Encarnação afirmou que o prédio é centenário e vulnerável, o que facilita a entrada do material. Ele também ressaltou que já está em vias um processo de licitação que vai apontar qual a empresa que vai construir um novo presídio feminino.

A revista faz parte do cronograma da Sejus, mas foi antecipada após os últimos acontecimentos dentro da Penitência Feminina. O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (CDH-OAB), Epitácio Almeida, se fez presente durante a revista. Ele esteve na Cadeia pública na manhã da última quinta-feira(13) para verificar denúncias de familiares de detentas que ligaram para o celular dele denunciando que algumas presas estavam feridas.  O representante da comissão esteve acompanhado da juíza da Vara de Execuções Penais, Eulinete Tribuzy e constatou que havia quatro mulheres feridas, entre elas, uma grávida, Jéssica Silva, que foi atingida por três tiros com balas de borracha, dois deles atingiram a barriga e um o pescoço da detenta.

As detentas feridas realizaram exame de corpo de delito. O caso foi comunicado por Epitácio Almeida ao comandante do CPE, Cel. Haroldo Ribeiro que afirmou que o fato será apurado pela Polícia Militar. O presidente da CDH /OAB-AM irá oficializar o pedido de investigação do ocorrido

Na última quarta-feira (12), uma detenta identificada como Ana Claudia Chaves Lobo, 24, ficou revoltada por não conseguir sair da cadeira após conseguir um alvará de soltura e ateou fogo em uma carteira de madeira da sala de aula.