Publicidade
Manaus
Manaus

Polícia investiga mortes na Zona Centro-Sul e Leste de Manaus

Na Zona Leste de Manaus um adolescente morreu atingidos por dois tiros. A família suspeita que ele tenha morrido por engano. Já na Zona Sul, um ajudante de caminhão morreu depois de levar um tiro na axila 21/03/2012 às 13:16
Show 1
O estudante e ajudante de pedreiro Messias da Silva de Souza, 17,foi atingido por dois tiros, um no braço e outro no tórax
Evelyn Souza e Thiago Monteiro Manaus

A Polícia Civil do Amazonas registrou dois homicídios na noite desta terça-feira (20) em Manaus. Um adolescente de 17 anos morreu vítima de dois tiros, no bairro Tancredo Neves, Zona Leste de Manaus, e um ajudante de caminhão morreu vítima de um tiro, em um bairro da Zona Sul. A autoria de ambos os crimes ainda é desconhecida e os dois casos estão sendo investigados pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

O estudante e ajudante de pedreiro Messias da Silva de Souza, 17, morreu por volta de 21h30 na Rua Sabiá, Comunidade de Deus, Tancredo neves, Zona Leste de Manaus.

De acordo com a irmã da vítima, uma menina de 15 anos, Messias estava em frente a casa da família quando sete homens armados, desceram de um carro de características ainda não identificadas e perguntaram do adolescente se ele sabia onde estava um homem identificado apenas como “Chicão”. Após o irmão dizer que não sabia, os homens o colocaram no carro e o levaram para dar um volta no bairro e procurar por “Chicão”. Ao retornarem para a residência, no momento em que o adolescente descia do carro, foi atingido por dois tiros, um no braço e outro no tórax.

A família suspeita que o adolescente foi morto por engano. Ele era conhecido como “Negão” e eles disseram que ele poder ter sido confundido.

Zona Sul
O ajudante de caminhão Antenor Caetano Malcher Neto, 32, morreu por volta de 23h30 desta terça-feira (20), no Beco da Paz, que fica no bairro Presidente Vargas, Zona Sul de Manaus, atingido com um tiro na axila.

De acordo com policiais da 1º Companhia Interativa Comunitária (Cicom), Antenor era acostumado a roubar as pessoas no Terminal 1 (T1), na Constantino Nery. A polícia trabalha com a hipótese de acerto de contas.