Publicidade
Manaus
Manaus

Polo de duas rodas tem crescimento negativo no primeiro trimestre do ano

O polo de duas rodas também vem se caracterizando como o segmento do PIM que mais utiliza  insumos regionais, chegando a 50,81% do total consumido pelas indústrias; 40,83% dos insumos nacionais e 9,78% dos insumos do exterior utilizados 28/05/2012 às 21:13
Show 1
Polo de duas rodas terá atenção especial do governo
acritica.com Manaus

O polo de duas rodas, que é o maior contribuinte do ICMS apurado mensalmente entre as empresas  do Polo Industrial de Manaus (PIM), registrou um crescimento negativo de -4,04%  no primeiro trimestre de 2012, em comparação com igual período de 2011, na produção de motocicletas, motonetas e triciclos. " O polo de duas rodas está se consolidando como o mais significativo para a economia da Zona Franca de Manaus e precisa ter para o Governo Federal a mesma importância da indústria automobilística de quatro rodas.

O polo de duas rodas deveria ter o beneficio da alíquota de IPI de 35%", observa o presidente do Sindicato dos Funcionários Fiscais do Estado do
Amazonas, (Sindifisco-AM), Joaquim Corado. A produção do polo de duas rodas chegou a registrar um crescimento de 38,70% no primeiro trimestre de 2011 em relação ao primeiro trimestre de 2010. Em 2010, esse setor respondeu por 45,53% de toda a arrecadação de ICMS e, em 2011, por 39,65%.

"O Governo do Amazonas precisa entender a importância desse segmento no contexto econômico local. É necessário que o governo federal blinde de ameaças da concorrência leal e desleal do mercado brasileiro, protegendo e consolidando a sua produção no PIM", alerta Corado. "Outro ponto positivo desse polo é que ele não tem uma evolução tecnológica acelerada, como ocorre no polo eletroeletrônico, o que exige menos investimentos em inovação e tecnologia.

Em consequência, há menos ameaça de evasão de empresas do PIM, ao contrário do polo eletroeletrônico, sempre com a ameaça de fuga de seus principais produtos".

A massa salarial e encargos do polo de duas rodas, em 2011, representam 23,78% da massa salarial e encargos do PIM, enquanto o número de empregos criados representou 18,51% do total gerado no PIM (20.467 postos de 110.563) – e o salário e encargos médios é o terceiro do Polo Industrial. Com esses números, o polo de duas rodas é o segundo em Massa Salarial; segundo em geração do emprego e terceiro em salário e encargos médios do PIM.

O polo de duas rodas também vem se caracterizando como o segmento do PIM que mais utiliza  insumos regionais, chegando a 50,81% do total
consumido pelas indústrias; 40,83% dos insumos nacionais e 9,78% dos insumos do exterior utilizados.

"É o segmento mais importante do PIM, por isso deve ser preservado e blindado pela sua significância para a economia regional como um todo", observa Corado.