Publicidade
Manaus
Cotidiano,Praia da Ponta Negra,Interdição,Prefeitura de Manaus,MPE-AM,TAC,CPRM

Ponta Negra deve reabrir no próximo dia 15 de março

Anúncio foi feito nesta quarta-feira (27), pela Comisssão Especial, entretanto uma série de ações entre os órgãos que integram a comissão deverão ser realizadas até a liberação do balneário 27/02/2013 às 12:22
Show 1
Reunião da Comissão Especial decidiu pela abertura da Ponta Negra, no próximo dia 15 de março
acritica.com Manaus

A abertura da praia da Ponta Negra, localizada na Zona Oeste de Manaus, deve ocorrer no próximo dia 15 de março conforme decisão da Comissão Especial que trata da elaboração da minuta do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), sobre as medidas de segurança e normas para a liberação do lugar, anunciada nesta quarta-feira (27).

Reunidos na sede do Ministério Público do Estado (MPE-AM), também localizado na Zona Oeste da cidade, os integrantes da comissão debateram o laudo do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), sobre a Ponta Negra, apresentado ao grupo na última sexta-feira (22).

Conforme os estudos do CPRM, a Ponta Negra apresenta trecho com desníveis que variam de 6 a 10 metros de profundidade, o que pode contribuir para a ocorrência de acidentes com os banhistas mais descuidados.

De acordo com a coordenadora da comissão, a procuradora de Justiça Jussara Pordeus, antes da liberação do balneário, haverá algumas ações, como por exemplo, a definição das cláusulas do TAC, em uma reunião com a Prefeitura de Manaus, prevista para o próximo dia 5 de março.

A simulação de casos de possíveis acidentes na praia, também será realizada no balneário, no dia 8 de março.

A assinatura do TAC está prevista para ocorrer no dia 11 de março, ocasião em que todos os órgãos envolvidos na Comissão Especial – MPE-AM, Corpo de Bombeiros, CPRM, Prefeitura de Manaus, entre outros deverão verificar as possíveis falhas por ventura existentes.     

Desde novembro do ano passado o balneário da Ponta Negra encontrasse interditado, por solicitação do MPE-AM, tendo como base o laudo técnico do CPRM, que identificou à época a existência de buracos em vários trechos da praia.