Publicidade
Manaus
Manaus

Prefeito de Presidente Figueiredo decreta situação de emergência a uma semana da eleição

A situação de emergência permite que o município use verba pública sem realização de processo licitatório e conforme publicação assinada pelo prefeito, haverá distribuição de recursos arrecadados em benefício da população 02/10/2012 às 09:16
Show 1
Prefeito Fernando Vieira não disputa a eleição deste ano, mas apoia a candidatura do empresário Neilson Cavalcante
Rosiene Carvalho ---

O prefeito de Presidente Figueiredo, Fernando Vieira (PR), decretou situação de emergência no município a uma semana da votação que vai eleger o novo prefeito e vereadores. O decreto nº 1.395 foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) da sexta-feira que circulou nesta segunda (01). O prefeito não concorre neste pleito porque foi reeleito em 2008, mas apoia o candidato Neilson Cavalcante (PSB). Presidente Figueiredo fica distante a 107 quilômetros de Manaus.

A situação de emergência permite que o município use verba pública sem realização de processo licitatório e a própria publicação assinada pelo prefeito Fernando Vieira indica que haverá distribuição de recursos arrecadados em benefício da população mais carente atingida pela ventania.

Fernando Vieira indica que a publicação da situação de emergência seja comunicada à Justiça Eleitoral e ao Ministério Público Eleitoral (MPE) para que as ações sejam fiscalizadas.

O município tem três candidatos a prefeito. Um deles é o empresário Neilson Cavalcante pela coligação “Avança Figueiredo”, que é formada pelo PR, PSDC, PTC e PSB. Ele tem como candidato a vice-prefeito o odontólogo, Jari Dutra (PR).

Pela coligação “Figueiredo pode mais”, formada pelo PDT e PTN, o candidato a prefeito é o engenheiro Márcio Cunha. O vice dele é Fábio Pontes. O ex-prefeito Romeiro Mendonça também disputa o cargo pela aliança “Movimento muda Figueiredo:  PRB, PP, PT, PTB, PMDB, PSC, PPS, DEM, PMN e PSD. Tem como vice, Tião Alencar.

Justificativa

A situação de emergência, segundo o decreto, foi por causa da tempestade com ventos acima de 40km/h que atingiu a cidade na quarta-feira. Na ocasião, a Defesa Civil do município informou que 139 casas ficaram destelhadas e famílias foram removidas para residências de amigos e parentes.

Ainda segundo a publicação no DOE, o vendaval atingiu sobretudo famílias de baixa renda, ocasionou desabamento de prédio públicos, destruição de fachadas de comércios, rompimento de adutoras, entre outros prejuízos. Cerca de 200 famílias foram atingidas, diz o decreto.

O texto indica também que a situação de anormalidade é válida apenas para a área do município comprovadamente afetada pelo desastre.