Publicidade
Manaus
Manaus

Prefeitura avalia concessão de terminais de ônibus à iniciativa privada

A informação foi repassada pelo superintendente adjunto da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Antonio Norte Filho, que em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (12) anunciou uma série de medidas para a reestruturação dos terminais até a Copa de 2014 12/09/2012 às 14:32
Show 1
O terminal 1, na avenida Constantino Nery, está em péssimo estado de conservação, com telhas e grades deterioradas, banheiros sujos e sem segurança
JOELMA MUNIZ Manaus

Os cinco terminais de ônibus da cidade poderão ser administrados por empresas privadas através de "Operação Consorciada" entre a Prefeitura Municipal de Manaus e interessados em explorar o potencial comercial e financeiro dos locais.

A informação foi repassada pelo superintendente adjunto da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Antônio Norte Filho, que em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (12) anunciou uma série de medidas para a reestruturação dos terminais até a Copa de 2014.

"Hoje a Operação Consorciada é realizada em algumas cidades do Brasil, a exemplo de Belo Horizonte, que tem a estação BH Barreiros - um tipo de terminal administrado por uma empresa, que através de certame licitatório é contratada para tomar conta dos espaços públicos, sem que a Prefeitura tenha que pagar nada - ela faz a manutenção do lugar, e, em contrapartida, explora a mídia e outros itens do espaço", explicou.

Para o superintendente adjunto da SMTU, a opção é "a melhor maneira" de manter a conservação dos terminais, sem que haja oneração aos cofres municipais. "Esse sistema é interessante porque o poder público é responsável pela fiscalização e manutenção de muitas coisas. Em algum momento, algo vai ficar esquecido", comentou.

A Operação Consorciada, contudo, é considerada a 3ª etapa do processo de revitalização dos terminais 1,2,3,4 e 5, que estão localizados nas Zonas Sul, Leste e Norte de Manaus.

A primeira etapa consiste no estudo técnico das atuais condições dos terminais. Para o terminal 1, que fica localizado na Avenida Constantino Nery, Centro, a comissão responsável por estudo técnico encabeçado pela SMTU, indicou a manutenção do local.

A comissão também defendeu a utilização das atuais instalações, mas sob a realização de reforma estética, estrutural e de estudo sobre a permanência, ou não, dos vendedores ambulantes que exploram a economia do terminal.

Já para o terminal 2, localizado no bairro Cachoeirrinha, Zona Sul, os técnicos apontaram a necessidade de desativação da estrutura, que não comporta a demanda diária de 32.581 usuários. Mesmo com a desativação, os técnicos defendem a construção de outro terminal nas imediações do atual.

O T3, T4 e T5 estão inseridos nos projetos do monotrilho e do Bus Rapid Transit (BRT) e naturalmente passarão por reformulação.

Na segunda etapa estão previstos a elaboração dos projetos básicos e executivos das obras. Nesta fase, serão analisados os custos e as empresas dispostas a participar do certame licitatório.

A terceira fase consiste no estudo sobre a possível implantação da Operação Consorciada.

Valores

Segundo o superintendente adjunto da SMTU, as obras de reformas dos terminais são de médio prazo e podem ter valor inicial de aproximadamente R$ 2 milhões.