Publicidade
Manaus
Manaus

Prefeitura economiza R$ 20 milhões em 50 dias

Em coletiva à imprensa, Arthur Neto anunciou que no primeiro mês de gestão, a Prefeitura conseguiu pagar as contas e ainda fazer caixa para investir em projetos e no trabalho de recapeamento da cidade, que será iniciado no verão 20/02/2013 às 21:26
Show 1
A ordem dada aos secretários é que, até a próxima semana, cada um estabeleça cinco prioridades e para que as ações sejam realizadas nos próximos meses
acritica.com Manaus

A Prefeitura de Manaus fez uma economia de R$ 20 milhões nos primeiros 50 dias de governo. A informação foi repassada aos secretários municipais na manhã desta quarta-feira (20) pelo prefeito Arthur Virgílio Neto, durante a reunião semanal do governo municipal. O encontrou aconteceu no Palácio Rio Branco, no Centro da cidade.

Em coletiva à imprensa, Arthur Neto anunciou que no primeiro mês de gestão, a Prefeitura conseguiu pagar as contas e ainda fazer caixa para investir em projetos e no trabalho de recapeamento da cidade, que será iniciado no verão. Segundo o prefeito, a economia foi possível após corte de gastos desnecessários e a ação de combate ao desperdício, principalmente de água, luz e combustível.

A ordem dada aos secretários é que, até a próxima semana, cada um estabeleça cinco prioridades e para que as ações sejam realizadas nos próximos meses. “A Prefeitura tem vários órgãos e cada órgão tem um limite de gastos. Nesse início de gestão, nenhuma secretaria atingiu esse limite. Na iniciativa privada, as empresas demitem funcionários para cortar custos e aqui não vamos precisar passar por isso. Cortamos as mordomias, os benefícios e o desperdício”, declarou Arthur Neto.

Outro assunto discutido com os secretários foi a parceria da Prefeitura de Manaus com o Governo do Estado do Amazonas e o Comando Militar da Amazônia (CMA) nas obras de recuperação e recapeamento de vias da cidade. O acordo, firmado com o governador Omar Aziz e o general Eduardo Villas Boas, comandante do CMA, deve resultar em uma economia de 25%, no total das obras, para o poder municipal.

“Se a Prefeitura, que está desaparelhada sem maquinaria, trabalhasse só com empresas, nós teríamos a cada obra 25% de gastos a mais. Fazendo a administração direta junto com a indireta, a cada quatro obras que a gente concluir teremos verba para concluir mais uma, apenas com a verba economizada”, concluiu Arthur Neto.

Sobre a ameaça de paralisação dos rodoviários programada para esta quarta-feira, a quarta apenas este ano, o prefeito afirmou que o diálogo e a desistência da greve foram conquistas para a cidade.

“Eu defendo a individualização das empresas. Tem uma que deve muito pouco, outra que deve mais e nessa conversa entre trabalhadores e empresários tem que ver o que há de queixas contra a empresa e cobrar apenas dela. Sem misturar toda a categoria, que luta por questões diferentes. O meu interesse é fazer a cidade funcionar”, afirmou.

Com informações da Semcom.