Publicidade
Manaus
Manaus

Primeiro mês do programa 'Ronda no Bairro' foi satisfatório em Manaus

Programa reduziu índices de homicídio, roubo e furtos na Zona Norte. Só no Alfredo Nascimento houve assassinatos 16/03/2012 às 07:35
Show 1
Vigilância feita pela Polícia Militar caiu no gosto dos moradores dos dez bairros da Zona Norte. O desafio agora é estender as ações para as Zonas Leste, Centro-Sul e Oeste até o final de julho
Joana Queiroz Manaus

O programa Ronda no Bairro completou um mês de implantação, nesta quinta-feira (15),  reduzindo os  índices de criminalidade nos dez bairros da Zona Norte, alcançados pelas ações de policiamento comunitário, segundo informou o secretário executivo do programa, Amadeu Soares.  A população  confirma a redução da violência e aos poucos se acostuma com a nova realidade.

Segundo Amadeu Soares o bairro Alfredo Nascimento foi o único que no primeiro mês de Ronda no Bairro registrou homicídios. Essa situação está acontecendo devido o bairro fazer limite com outros da Zona Leste, que ainda não tem o Ronda no Bairro.

“Nós já estamos trabalhando para identificar os problemas do bairro e identificar quem está contribuindo para isso”, assinalou Amadeu.

Segundo Amadeu, a taxa de  homicídio diminuiu em  47%, de furto em  2% e de roubo em  23%  comparados com os dados do mesmo período do ano passado.

O secretário executivo disse ainda que houve um aumento na taxa de procedimentos nos Distritos Integrados de Polícia (DIP)  em  49%. Para Soares esse índice, que  ele chamou de demanda reprimida,  é resultado da confiança que a população depositou no programa e, por isso, passou a denunciar mais.

Segundo Amadeu Soares a satisfação da população com a segurança também ficou  elevada. “É possível medir essa satisfação do povo nas conversas com as pessoas, nas  reuniões de lideranças, nas associações,  nas comunidades e até de porta em porta”, disse Amadeu.

Amadeu Soares disse que diariamente a polícia vem fazendo visitas  às comunidades, as escolas e ainda faz visitas solidárias, que é quando  um membro da comunidade passa por algum problema relacionado a segurança.

Nestes casos, o policial vai à casa dele para ouví-lo e se colocar a disposição para ajudar.  Essa é uma forma de gerar confiança e aproximar ainda mais a polícia da população.

O secretário disse que está reunindo com os comandantes das Companhias Interativas Comunitárias (Cicoms) e delegados de polícia dos DIPs para avaliar o desempenho do programa, os locais onde o índice de violência foi mais alto.

O secretário informou que até junho deste ano o Ronda no Bairro  vai ser implantado nas Zonas Leste, Centro-Sul e Oeste.  Ele contou que a preparação nesses locais já começou com a adaptação dos DIPs que já existem e com a construção de  novos. Até abril 600 alunos-soldados estarão se formando e serão integrados aos demais que já estão operando o programa Ronda no Bairro.

Sonho é dormir com janela aberta
“Ainda não dá pra dormir com as janelas abertas mas a gente já consegue  andar nas ruas sem estar preocupado de aparecer um motoqueiro para nos assaltar”, diz o comerciante José Oliveira Cadaxo, 58, morador da rua Guaianás,  Cidade Nova I, Zona Norte.

Para muitos  moradores do local  as ocorrências de assaltos em via pública, que eram comuns e tiravam a tranquilidade e espalhava o medo, diminuíram muito. Até mesmo nos locais que eram considerados perigosos. Segundo a dona de casa  Cléia Bezerra 52, um escadão que dá acesso a conhecida Baixada Fluminense, da Cidade Nova I, quase toda noite acontecia um assalto.

Os assaltantes aproveitavam a falta de iluminação pública para atacar quem passava por lá. “Hoje não escuto mais ninguém reclamar. Estamos passando pelo local e não acontece mais assaltos”, diz a dona de casa.

Roberto Vital
Secretário de Segurança Pública

1 Como o senhor avalia o primeiro mês do programa Ronda no Bairro?
De forma muito positiva. Conseguimos diminuir os índices de criminalidade trabalhando com motivação, e a usando  de forma eficaz.

2 O programa está alcançando seus objetivos?
Sem dúvidas. A polícia está proativa e desvendando os crimes. Mas o que queremos é não ter crimes para desvendar. Queremos prevenir e evitar que eles aconteçam. Vamos chegar lá.

3 O Estado vai ter condições de cobrir as outras zonas com o Ronda no Bairro?
Vamos sim. Tudo está dentro do que foi planejado. primeiro vamos entrar na Zona Leste, onde há 12 bairros e uma população de 480 mil habitantes. Depois vamos para a zona Centro-Sul, que é uma área de classe média e depois a Oeste onde estão alguns bairros considerados problemáticos como o Alvorada e a Compensa. Até o final de junho estaremos nesse bairros.