Publicidade
Manaus
Manaus

Professores da Ufam realizam novos protestos nesta sexta-feira (6)

O cronograma da atividade consiste em concentração, às 8h, na Praça 5 de Setembro (Praça da Saudade), passeata pela Avenida Eduardo Ribeiro e manifestação na Praça Heliodoro Balbi (Praça da Polícia), no Centro 05/07/2012 às 14:43
Show 1
O objetivo dos docentes é chamar a atenção da sociedade par suas reivindicações, pautadas na reestruturação da carreira docente, melhores condições de trabalho e de mais investimentos para a universidade pública
acritica.com Manaus

Conjuntamente com outros trabalhadores do serviço público federal, os professores em greve da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) realizam nesta sexta-feira (6) um ato público unificado como forma de protesto para o que chama de falta de negociação do governo.

O cronograma da atividade consiste em concentração, às 8h, na Praça 5 de Setembro (Praça da Saudade), passeata pela Avenida Eduardo Ribeiro e manifestação na Praça Heliodoro Balbi (Praça da Polícia), no Centro.

O objetivo dos docentes é chamar a atenção da sociedade par suas reivindicações, pautadas na reestruturação da carreira docente, melhores condições de trabalho e de mais investimentos para a universidade pública.

Sobre a aliança dos servidores federais, o presidente da Associação dos Docentes da Ufam (Adua) e integrante do Comando Local Unificado de Greve (CLUG), Antônio Neto, disse que a intenção é realizar atividades em conjunto durante o período de paralisação.

“Vamos nos unir em algumas ações para dar mais peso ao movimento paredista”, disse Antônio Neto. A greve, que já passa de 40 dias, deve ganhar novo vigor com a paralisação de outras categorias do serviço público federal.

Parafraseando o lema da paralisação dos docentes federais, “A greve é forte. A luta é agora!”, o 2º tesoureiro da Adua e integrante do CLG da Ufam, Luiz Fábio Paiva, afirmou que a mobilização dos professores pautou o fortalecimento do plano de luta com outros movimentos sindicais.

“Nós estamos vivendo uma greve muito forte, que vem pressionando o governo a negociar com a nossa categoria e despertou uma série de outros movimentos para uma luta unificada dos servidores federais”, disse.

Entre as entidades envolvidas na marcha unificada estão a Adua; Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN); Comando de Greve Estudantil da Ufam; Sindicato dos Trabalhadores da Educação Superior do Estado do Amazonas (Sintesam); Seção Sindical do Amazonas do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe); Sindicato dos Servidores da Justiça Eleitoral do Amazonas (Sinjeam), Sindicato dos Servidores da Justiça do Trabalho do Amazonas e de Roraima (Sitraam/RR); Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Amazonas (Sindsep/AM); Associação dos Servidores Federais da Justiça Federal do Amazonas (Assejuf/AM); Sindicato dos Trabalhadores na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos no Amazonas (Sintec/AM); Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST); Movimento Social de Luta por Moradia Digna (MSLMD); Assembleia Nacional dos Estudantes - Livre (Anel).