Publicidade
Manaus
Manaus

Programa Leite do Meu Filho: Mães enfrentam filas com crianças no colo

Algumas mães com quem a reportagem de A CRÍTICA conversou alegaram que não tinham com quem deixar os filhos, outras disseram que queriam provar que as crianças precisavam do benefício 06/03/2012 às 07:46
Show 1
Sem ter como deixar a criança em casa, mãe improvisa para garantir um mínimo de conforto para o filho enquanto espera na fila para fazer o cadastro
Florêncio Mesquita ---

Com medo de não serem incluídas no programa de nutrição infantil Leite do Meu Filho, centenas de mães levaram os filhos para encarar as filas do novo cadastramento do benefício. As inscrições começaram na manhã desta segunda-feira (5), no Centro Cultural e Desportivo, o sambódromo, Zona Centro-Oeste, e mesmo sendo orientadas a não levarem os filhos, as mães contrariaram a indicação do município e expuseram as crianças à espera e ao desconforto.

Algumas mães com quem a reportagem de A CRÍTICA conversou alegaram que não tinham com quem deixar os filhos, outras disseram que queriam provar que as crianças precisavam do benefício.

A maioria das mães ficou com as crianças nos braços aguardando atendimento, mas algumas ficaram sentadas no chão com os filhos ou improvisaram uma maneira para as crianças se deitarem no chão sobre fraldas. A doméstica, Girlane Oliveira, 33, por exemplo, contou que levou o filho de oito meses de idade porque ainda o está amamentando e já tinha deixado outras três crianças com a mãe dela.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Francisco Deodado, não é preciso levar as crianças para fazer o cadastro. Ele explica que apesar do atendimento ser rápido, as filas são inevitáveis e causam desconforto as crianças. “A mãe ou o responsável precisa apenas apresentar a documentação exigida", disse.

O novo cadastramento ampliou a faixa etária de crianças atendidas pelo programa de 3 anos para 5 anos incompletos. Segundo Deodato, o programa foi lançado em agosto de 2011 para combater à desnutrição e à mortalidade infantil de crianças que estejam em situação de vulnerabilidade social. Ele ressalta que o programa já atende 61 mil beneficiários e deve aumentar o número para 120 mil até a próxima sexta-feira, quando o cadastramento será encer rado.

A Semsa se preparou para atender até 10 mil pessoas por dia em um total de 18 salas e 168 profissionais. Apesar das filas serem grandes, o tempo médio de atendimento no primeiro dia foi de 10 minutos. Na entrada do sambódromo, as mães recebem um informativo com os documentos que devem ser apresentados.

Na fila de espera, os agentes de cadastro orientam as mães para que organizem a documentação necessária para que o cadastro seja feito no menor tempo.

As mães atendidas ontem receberão o leite no próximo dia 19. A data da entrega do leite é informada no ato do cadastrado. O cartão magnético de identificação, necessário para a retirada do leito, é entregue em um dos 60 postos de atendimento na cidade indicados pela prefeitura. 

O local da entrega é escolhido com base na proximidade da casa do beneficiário.

O cadastramento está sendo feito no sambódromo, na avenida Pedro Teixeira, Zona Centro-Oeste das 7h as às 17h. O atendimento no primeiro dia começou às 8h, mas devido ao grande número de pessoas a Semsa decidiu começar o atendimento uma hora mais cedo.

Entre os documentos necessários para a realização do cadastro estão o CPF e o RG da mãe ou responsável legal, além da certidão de nascimento da criança e comprovante de residência.

No caso especifico de morte materna, o responsável precisa apresentar a certidão de óbito da mãe da criança e o documento de Guarda ou Tutela.

Programa vai além do mandato
O secretário municipal de Saúde, Francisco Deodato, garantiu que programa Leite do Meu Filho continuará sendo executado após o término do mandato do prefeito Amazonino Mendes, no dia 31 de dezembro deste ano.

Segundo Deodato, os beneficiários do programa continuarão a receber a complementação nutricional independente do administrador que estiver à frente do município porque o programa é uma medida institucional e não está atrelado ao tempo de mandato.

O programa está orçado em R$ 23 milhões e funciona por meio de contratação de licitação pública com a fornecedora da formula nutricional. Criado no ano passado, o Leite do Meu Filho atende 61 mil pessoas em Manaus.