Publicidade
Manaus
Manaus

Projeto tem R$ 14,4 milhões para investir em combate a incêndios no Sul do Amazonas

O projeto é pioneiro na região e vai atender os municípios de Apuí, Boca do Acre, Lábrea, Novo Aripuanã, Canutama, Manicoré, Humaitá e Maués com o controle de desflorestamento por incêndios florestais 16/03/2013 às 11:45
Show 1
Governador em exercício, José Melo lançou ontem o projeto de Prevenção e Preparação de Emergências de Incêndios
nelson brilhante ---

Com a presença dos prefeitos de oito municípios, o Governo do Estado lançou nesta sexta-feira (15) o Projeto de Prevenção e Preparação a Emergências de Incêndios Florestais do sul do Amazonas. O governador em exercício, José Melo, e o subcomandante de Ações de Defesa Civil, Roberto Rocha, anunciaram o investimento de R$ 14,4 milhões, liberados pelo Fundo Amazônia, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para o combate a incêndios.

O projeto é pioneiro na região e vai atender os municípios de Apuí, Boca do Acre, Lábrea, Novo Aripuanã, Canutama, Manicoré, Humaitá e Maués com o controle de desflorestamento por incêndios florestais, por meio de monitoramento e capacitação de brigadas de emergência das defesas civis municipais. Deverão ser adquiridos instrumentos que previnem e que indicam incidência de chuva e de temperatura.

Em Humaitá será instalada a Coordenadoria Geral do Sul do Amazonas para incêndio florestal, onde funcionará uma grande unidade de proteção comunitária ambiental. Nas demais cidades as unidades serão de menor porte.

De acordo com Roberto Rocha, Humaitá foi escolhida “por possuir os maiores insumos e incentivos não só de estrutura mas de passagem de um Estado para outro, a estrada Transamazônica e os grandes problemas que envolvem a parte de agricultura, de extensão e de invasões de terra”.

Ele informou que, além dos equipamentos convencionais, serão adquiridos lanchas, viaturas estilo Quitê, as mesmas usadas pelas Forças Armadas para percorrer qualquer tipo de terreno.

Também será instalada, em Manaus, a segunda fase do “Profetas”, projeto de monitoramento florestal e climático.

Para José Melo, a decisão demonstra a preocupação do governo de trabalhar preventivamente os incêndios florestais.

“Essa reunião é o resultado do que vem acontecendo nos últimos anos, quando tivemos grandes enchentes e secas e também o avanço da fronteira agrícola em nossas florestas, sobretudo no sul do Amazonas. Tudo isso gerou grandes desflorestamentos e incêndios. Então, a partir daí, nós resolvemos tomar providências”, disse.

O prefeito do município de Apuí, Admilson Nogueira, ressaltou o problema da cidade, e falou da importância da iniciativa do governo. “Apuí, por ser um assentamento, nós temos um grande número de produtores. São mais de três mil propriedades rurais, e em anos anteriores nós já tivemos problemas com incêndios florestais. Essa ação do governo servirá justamente para a prevenção e quando ocorrer, estaremos preparados para enfrentar o problema”, afirmou Admilson Nogueira.