Publicidade
Manaus
Manaus

PSC mobiliza quase 60 mil alunos no domingo

Exame que escolhe futuros acadêmicos da Ufam acontece em 62 municípios 01/12/2012 às 11:15
Show 1
Reitora da Universidade Federal do Amazonas, Márcia Perales comanda a realização do PSC nos 62 municípios do AM
jornal a crítica ---

Neste domingo (2), 59.318 estudantes de 62 municípios do Amazonas estarão se submetendo às provas do Processo Seletivo Contínuo (PSC 2013), aplicadas pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Estão em disputa 2.716 vagas disponibilizadas para os 117 cursos de graduação oferecidos pela UFAM.

Do total das vagas, 1.891 são destinadas aos cursos da capital e 825 às unidades acadêmicas nos municípios de Benjamin Constant, Humaitá, Coari, Parintins e Itacoatiara. Todas as provas começam às 8h, entretanto, o horário de encerramento é que será diferenciado. Os alunos que estão cursando o 1º e o 2º ano do Ensino Médio terão até as 12h para concluir a avaliação enquanto os do 3º ano terão uma hora a mais devido a obrigatoriedade da redação. De acordo com a diretora da Comissão Permanente de Concursos (COMVEST), professora Ana Galota, os primeiros resultados das provas serão divulgados durante a primeira semana de janeiro de 2013. “Vamos priorizar o resultados dos alunos do 3º ano porque, em sendo aprovados, estarão ingressando imediatamente na universidade”, justificou Galota.

Engenharia Elétrica surpreendeu na preferência dos inscritos ao quebrar a hegemonia dos cursos da área de saúde. Até então, Medicina e Odontologia se revezavam na liderança dos mais procurados.

Na opinião da reitora da UFAM, Márcia Perales, a grande procura tem a ver com o aumento no números de cursos de Engenharia oferecidos pela entidade. Segundo ela, o Brasil tem um déficit de 500 mil engenheiros por ano.

A subida vertiginosa no número de inscrição para quase o dobro das do ano passado se justifica pela dispensa, há dois anos, da cobrança da taxa de inscrição para alunos do interior do Estado que tenham estudado em escola de ensino público. A taxa era de R$ 30.

“É uma política institucional. Nós queremos democratizar o acesso às universidades públicas. E para que possamos contribuir com esse acesso nós adotamos a gratuidade aos alunos da escola pública do interior”, disse a reitora Márcia Perales, que considera uma grande conquista a ida da UFAM a todos os municípios levando as provas que podem facilitar a entrada do aluno na universidade sem precisar fazer o vestibular.