Publicidade
Manaus
Cotidiano, Política, Economia, Meio Ambiente, Eleições Municipais 2012, Prefeituráveis, Abralatas, Alumínio, Catadores, Reciclagem, Limpeza Pública, Coleta Seletiva

Reciclagem e coleta seletiva são temas de debate entre prefeituráveis de Manaus

O evento encerra o ciclo de palestras promovido pela Associação Brasileira  dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclagem (Abralatas), em outras três sub-sedes da Copa 2014 06/01/2013 às 16:03
Show 1
Coleta de resíduos sólidos, como latas de alumínio, em Manaus é realizada de forma individual
Síntia Maciel Manaus

Apesar de Manaus dispor de aproximadamente 400 coletores de resíduos sólidos legalmente registrados na Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), o aproveitamento de material para reciclagem, bem como a coleta seletiva, deixam a desejar na capital amazonense.    

O tema será debatido nesta terça-feira (28), no auditório do Ministério Público Estadual (MPE/AM), localizado no bairro Nova Esperança, Zona Oeste da cidade, a partir das 9h, entre os nove candidatos a prefeito de Manaus e catadores de latas. O evento contará com a presença de representantes do MPE-AM, Ministério Público do Trabalho (MPT-AM), além de organizações não-governamentais e demais órgãos públicos que atuam na área ambiental.   

O evento encerra o ciclo de palestras promovido pela Associação Brasileira  dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclagem (Abralatas), em Porto Alegre (RS), Recife (PE) e Rio de Janeiro (RJ).

“Queremos mostrar uma alternativa para os prefeituráveis, no que diz respeito à utilização de  uma mão-de-obra marginalizada, no caso os catadores de lata, mas que podem contribuir e muito no que diz respeito à geração de renda, à limpeza pública, à coleta seletiva, por exemplo“, explica o diretor executivo da Abralatas, Renault Castro.

Segundo ele, as quatro capitais em que o evento foi promovido em comum apresentam uma coleta seletiva pequena e insuficiente, em virtude da falta de interesse do poder público em investir nas cooperativas de catadores, e também da própria categoria que não consegue se organizar.

“A nossa proposta é inserir o debate na agenda dos prefeituráveis, para que no momento oportuno tanto os catadores ou cooperativas, bem como a sociedade, possa cobrá-lo com políticas voltadas para o setor”, explica Castro.

Os debates irão resultar em um documento, que será distribuído aos prefeitos com cidades com mais de 500 mil habitantes.